sábado, 22 de setembro de 2012

À Procura de Diana











Pode parecer título de filme romântico, com traços de missão impossível ou até tragédia grega em grande tela, mas não é! É bem real e todos podem ver e ajudar. Ontem na cidade de Lisboa deparei-me com algo que me fez e faz continuar a acreditar no, amor! O jovem Ricardo Reis partilhou pelas ruas da cidade vários panfletos em formato A4 com uma missão: encontrar a menina dos seus sonhos, aquela que ele denomina como sendo o amor da sua vida... 
Diana é o nome da ilustre desconhecida que ele encontrou na noite do bairro alto e com quem falou até ser dia no jardim Príncipe Real. No fim da conversa ela o incumbiu de uma missão: "Terás de me encontrar até dia 14 de Outubro, altura em que voltarei para Paris", não deixando contactos, morada, nada de nada... apenas este nome, Diana. 

Ricardo assumiu este desafio, criou página no facebook e distribuiu panfletos com número de contacto, ele quer a todo custo encontrar Diana. 
Para muitos tudo isto pode não passar de uma idiotisse, para mim é mais uma prova de que o amor move montanhas e de que ainda há pessoas que como eu acreditam no amor, sem medos, sem vergonha... entregando-se assim a este sonho, sim porque amar é o melhor sonho da vida, de alma e coração como soldado que parte para guerra... a guerra dos afectos.

É bom sentir que muitos são aqueles que estão no sentido e no caminho da transformação, tal como gostei de ver todos aqueles sorrisos que surgiam sempre que liam o que o panfleto tinha escrito... eu também sorri e para mim pensei: também seria capaz desta "loucura" por amor!


Um beijo a todos!

8 comentários:

  1. E faz-nos repensar a ideia do amor à primeira vista como algo imaginário ou real :) O ano passado aconteceu algo assim em Coimbra, soube também porque foi criada uma página no facebook que procurava a moça. Tão giro conhecer mais uma história semelhante :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Poppy,

      este tipo de histórias deixam-me completamente enternecida e é tão bom ver que ainda existem pessoas assim... que acreditam e vivem o amor com tamanha emoção e entrega! Beijinho!

      Eliminar
  2. Já eu acho que isso é complicar o que supostamente é simples. Qual a necessidade de pedir a uma pessoa para abraçar um desafio desses, correndo ela o risco de não ter sucesso e acabar por perder um possível amor? E eu por acaso até sou um dos amantes dos amores antigos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FireHead,

      concordo com o que disseste e ele corre mesmo o risco de não a encontrar de novo! Ainda assim abraçou o desafio, distribuindo por Lisboa o apelo... se vai conseguir, tem até dia 14 de Outubro para saber. Correm rumores de que uma multidão de gente o acompanhará até ao aeroporto... a ver vamos o que vai sair daqui. Lembro-me que há alguns anos um rapaz também veio à tv com algo semelhante! O amor move montanhas!

      Eliminar
  3. É um enredo e tanto!... Espero que o Ricardo Reis encontre essa Diana. Já agora, esse é um dos heterónimos do Pessoa, não é? Quase parece uma encenação ;)

    ResponderEliminar
  4. Olá Miu Segunda,

    sim Ricardo Reis é heterónimo de Fernando Pessoa! Creio que o amor na sua grande plenitude é em parte uma bela encenação onde dois seres são protagonista principais! Beijo

    ResponderEliminar
  5. Penso que o que o move neste momento é a paixão. Mas não existe amor, sem antes existir a paixão ( e nunca pode deixar de existir). Mas também sei que existem paixões em que nós sabemos logo que ali estão reunidas todas as condições para amar. Quando existe paixão e sentimos que realmente ali está o caminho para o amor...ai sim, somos capazes de tudo (...sei do que falo) ;-)

    Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Santo&Pecador,

      tudo começa precisamente por aí, pela paixão e da paixão surge o amor... é uma verdade! Aliás, penso que é do conhecimento geral que a paixão é o que move duas pessoas a se juntar e o amor a que permaneçam juntas! Quanto ao Ricardo, não sei como vai terminar a história com a Diana... mas já valeu a pena, nem que seja pelo simples facto de que o fez sentir aquilo que poucos se permitem a sentir!

      beijo!

      Eliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)