terça-feira, 25 de setembro de 2012

*Por uma Lágrima*









Por cada lágrima que um dia deixei cair criei este jardim, jardim esse onde me perco dos limites existentes sem ti... o silencio da dormência de saber que existes mas não estás ao pé de mim. Queria um dia acreditar que irias voltar, nos meus lábios depositar o beijo que faltava dar... teus lábios doces que secavam as minhas lágrimas sempre que me vias chorar, saudades! Para dizer, teria muito que escrever... afinal existem palavras que nem sempre verbalmente ouso dizer. Despe-me de toda a tristeza que, por vezes, surge em mim... é aí nesse momento quando rumo à carapaça que mais preciso de ti. Quero assim, protecção, no peito que apenas existe em ti e que me afoga de prazer pela simples razão de saber que tudo sou para ti.

Por cada lágrima, por cada lágrima minha e tua, faço destas palavras a chama da nossa emoção!




Alexandra Martinho

3 comentários:

  1. Um poema escrito em prosa... De facto não há limites para a poesia, por isso gosto tanto!

    Lindo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Poppy...

      estou a sentir um gosto e prazer enorme em partilhar o que escrevo na blogosfera!

      beijinhos

      Eliminar
  2. As melhoras palavras são as que não são ditas, mas sim sentidas. Em relação às lágrimas, quem as merece jamais te faria chorar.

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)