sexta-feira, 28 de setembro de 2012

*Primeiro Amor*









Todos nós já tivemos o nosso primeiro amor, para muitos/as foi de facto o único. Este amor é aquele que abarca toda a alma, mesmo que a mesma não consiga abarcar com ele. Elasticidade talvez, sentimento tão puro, como a doçura das ondas que batem contra o rochedo no mar. Naqueles dias em que sentimos o sol, naqueles dias em que tudo é maravilhoso e belo para nós. Nós e a outra pessoa formamos então este belo ciclo, formamos algo que será para sempre lembrado nas memórias, eternamente. 
No primeiro beijo tudo é diferente, as borboletas na barriga, o sentir dos lábios com aquele desejo quente e tórrido, o querer um pouco mais e as horas a passar. 
Não há medidas, dá-se tudo o que se tem e que não, entregamos o nosso ser apenas para viver intensamente este momento único e mágico. E ele é mesmo único e mágico, não interessa a idade com acontece, interessa o sentimento aqui dentro e só amando quem somos, surge o primeiro amor e todos os outros que chegarão ou não depois.

O primeiro amor, é como uma dádiva nas nossas vidas, diferente, sim diferente, com outros olhos encaramos o mundo, vemos pessoas que sempre vimos com outro animo e o nosso coração anda lá bem no alto. Lá em cima, bem perto das estrelas e bem perto do céu... Onde tudo é tão sagrado, e perfeito. 

Nunca havia escrito sobre o primeiro amor, apenas sabia dele por histórias que um dia havia lido. Sei eu hoje o que é o primeiro amor, amor grande que me preenche de lés a lés. Um sorriso rasgado sempre que ouço a voz e recebo um carinho do meu ser mais que amado! 

Enorme a paz, na alma, ao encontrar metade de mim nos olhos de quem me anseia, sim anseia! Sem restrições, sem reservas... tudo permitido, os beijos de sal que se dão, os desejos e juras... tudo belo, belo demais para o tempo simplesmente apagar e nunca mais lembrar! 
Vibramos, vibramos sempre que chega o dia de estarmos perto daquele/a que tanto amamos. É tão bom, a compreensão que se transmite no olhar apaixonado que dança ao luar... a expressão corporal que permite entender o outro no seu sentir mais que contente... mais que amores, sem dores... são unha e carne, pensando exactamente do mesmo modo. Fazendo com que o barco fultue sempre na mesma direcção. A pessoa que nos fez viver esta emoção, esta experiência para sempre lembrada e nunca o seu lugar será roubado ou tirado. 

Poderão existir, outros tipos de amores, que nunca em nada e tão perto serão iguais a este que um dia pela primeira vez, na verdadeira descoberta, descoberta do quão maravilhosos nós somos e quão amor podemos nós dar a quem desejamos... chamamos de primeiro amor... 

Sem pensar, sem saber gerir, basta apenas deixar acontecer e seguir... sem hesitações aquilo que sentimos dentro de nós, aquilo que pretendemos transmitir num toque suave ao nenúfar! Não duvidar, acreditar e dançar esta dança que tanto nos faz sorrir, desejar, levitar. Pode até um dia acabar, mas como ele não haverá outro ao acordar e ali bem perto beijar quem tanto nos faz amar.

No nosso ser erguemos um castelo, erguemos o necessário e desdobramos em mil tapeçarias todos estes sentimentos que imensamente gostamos de partilhar. Amor primeiro, é o infimo respeito que devemos ter para com o nosso ser amado, aquele respeito que passa pela amizade e que nos une num núcleo que não é pesado, apenas leve como uma pena em escrevemos palavras ao nosso soldado! 

Que construção, que edificação, de corações suspensos no ar, nada mais será igual! Podem vir dois, três ou quatro, sejam aqueles que for, mas nunca se esquecerá o primeiro. A necessidade selvagem de querer abarcar com o mundo, nunca desrespeitando toda a sua vibração. Deus adorna estes desejos, e sobretudo, admira quem vive o amor de tal maneira, de uma maneira tão despreocupada, sejam adolescentes ou adultos. De que interessa as idades se o amor é verdadeiramente aquilo que os une? E sim, o amor chega, o amor chega e soma pontos e mais pontos! Pontos dentro do nosso coração, fazendo do corpo um campo ou jardim perfeito de rosas ardentes que aquecem mesmo naquelas manhãs frias em que o corpo do nosso amado presente não está.

Todas as emoções que se vivem... provavelmente uma única vez na vida. Todos sem excepção buscam pelo seu primeiro amor... ele que pode ter consequências, mas também soluções. Nada é feito sem riscos, a vida é um risco, mas de que interessam os riscos?
 As mais pequenas saudades tomam uma dimensão que nos ocupa o ser, mas não deixamos de respirar ou de viver. Cheiramos esta rosa divina como algo que nos adormece. Com o primeiro amor ficamos mais inteligentes, o coração é acarinhado e limado, e se esse mesmo primeiro amor continuar, fases terá, mas nunca, nunca se apagará. Amar pela primeira vez é um milagre, aquele em que olhamos ao céu e sorrimos, aquele em que finalmente presenciamos e vivemos aquilo que todos nós deveriamos viver com paz e serenidade. Amor primeiro, primeiro amor! Quem estas palavras não compreender, não interessa... afinal nesta vida já surgiu o primeiro amor...


31/Jan/11

Alexandra Martinho



'Endless Love'

10 comentários:

  1. Exactamente. E felizes são aqueles que só tiveram um amor na vida, o primeiro e único. Infelizmente isso já não rima com a nossa sociedade do descartável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fire, 

      eu não gosto de fast Food... e quanto ao descartável... tudo é reciclável! 

      Eliminar
  2. E não há amor como o primeiro, podes crer.
    Os outros até podem ser mais intensos, mas não são tão inocentes, tão puros!

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os outros, penso eu de que já são vividos sem aquela entrega verdadeira que tantos homens e mulheres, na verdade, querem sentir... enfim!

      Beijinho

      Eliminar
  3. O meu primeiro amor foi único, bonito, inocente mas cheio de amizade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S*

      viverá para sempre no nosso coração e compreendo perfeitamente quem não consegue amar depois do 1º amor! :)

      Eliminar
  4. O primeiro amor é, inegavelmente, o melhor, mais consistente, o mais saboroso.
    Não que os outros, se os houver, sejam de segundo plano. Mas não são a mesma coisa.
    O ditado que diz "não há amor como o primeiro" tem muitos anos e não surgiu por acaso.

    Que mais acrescentar sem o risco de acinzentar este seu texto?

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque não existem mágoas, nem medos de acreditar que é possível amar e ser-se amado ou amada!

      Eliminar
  5. Hola! I've been following your web site for a long time now and finally got the courage to go ahead and give you a shout out from Kingwood Texas! Just wanted to say keep up the excellent job!

    my homepage; macbook repair petaling jaya

    ResponderEliminar
  6. Hi there! This post could not be written any bеtteг!
    Reaԁing this post гeminԁs me of my previοuѕ room matе!
    He аlways kept chаtting about thiѕ.
    I wіll forward this poѕt to him. Fairly certаin he ωill have a good read.
    Thаnks foг sharing!

    Feеl fгeе to surf to my site - ipadrepairds.livejournal.com

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)