quarta-feira, 26 de setembro de 2012

*Veludo Azul*






Ela era linda, tudo aquilo que na realidade qualquer homem gostaria de ter... a delicadeza, a palavra doce, o instinto de protecção e adorava a cor azul. Um dia, um dia ela vestiu um vestido de veludo azul, sapatos prateados e pochete prateada que como luz ofuscava olhos amedrontados e sucumbidos pelas sombras. De cabelo arranjado e maquilhagem simples saiu à rua encantando e fazendo delirar, por onde ela passava havia sempre um suspirar... era a mulher de vestido de veludo azul.
Alta, magra, simples mas de cortar a respiração... cada palavra que dizia era como uma melodia que vinha do coração.

Desejava ser amada, de alma e de coração, por alguém que ela desconhecia mas que a visse muito além daquele vestido e daquela beleza, um ser, mais do que parecer. Era um teste, o teste à sabedoria, um teste à inteligência. O que queria? O homem, não era um, mas sim o homem que nos seus braços a recebesse e protegesse. Sem perguntas, sem enfados, com toda a dedicação e disponibilidade a tornasse rainha dos seus domínios, do seu mundo... enchendo-a de relíquias que apenas existem no coração de quem ama incondicionalmente. Nesse momento sabia que poderia guardar o vestido de veludo azul, afinal mais do que um simples vestido o seu mundo com amor se havia tornado todo ele azul... repleto de felicidade, de paz e serenidade é sabido que ela partiu dias mais tarde feliz, pois encontrou o amor que sempre quis.


Alexandra Martinho

2 comentários:

  1. E qual é o ser humano que em sã consciência não deseja ser amado de alma e coração? Bom, o que não falta por aí é gente que tem alguém e que não ama... e outros que amam e que permanecem sozinhos. Com ou sem o vestido de veludo azul. :)

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)