domingo, 14 de outubro de 2012

*As bazófias e os "Rabos de Fora"*









(hoje é assim que me sinto, full of light)




No final do dia de hoje descobri e ouvi pela primeira vez a música que serve de palco do novo e último filme da saga, 007!
Quem a canta? Adele. 

Entretanto, a minha amiga Utena escreveu um texto que fala de uma maneira geral sobre o julgamento que fazemos das pessoas quando conhecemos as mesmas pelo seu aspecto exterior, não dando espaço nem tempo ao conhecimento do seu interior. 
Quantas e quantas vezes não nos arrependemos, quantas e quantas vezes não abrimos mão de seres maravilhosos pelo simples facto de os mesmos não possuírem a forma exterior tão desejada... ou algum problema que nos seja difícil de lidar com...
As redes sociais, como a Utena abordou, são espaços onde a interacção com desconhecidos é enorme e sim, podemos encontrar pessoas especiais que mesmo não sendo apelativas visualmente, são apelativas ao nosso coração.

Vivemos de fachadas, aliás continuamos a viver de fachadas, de regras, protocolos que estão cada vez mais ultrapassados e que não se adequam à realidade plural do meio em que vivemos. Sim plural, porque todos somos diferentes e por mais que queiramos estereotipar não adianta, porque não conseguimos... aliás conseguimos, mas faço a pergunta quantas almas e quantas essências se perdem no meio deste processo? Julgamos, Julgamos, Julgamos!

Quero-vos falar das "bazófias" e dos "rabos de fora", viver em sociedade, viver uma relação, ou simplesmente, viver... é aquilo que considero uma verdadeira prova de fogo. Diariamente estamos sujeitos e expostos a todo o tipo de ataques visíveis e invisíveis que vão consumindo o nosso corpo, a nossa juventude, a nossa alma, a nossa capacidade de sorrir. Uns tem resolução, outros não e o melhor para estes últimos? Ignorar. 

Para mim um dos piores e mais graves problemas existentes na sociedade vigente é a: inveja! Por inveja mata-se, rouba-se, destroem-se namoros, casamentos, dá-se cabo da felicidade pelo simples prazer de ter a certeza que não é o único infeliz ao cimo da terra. E infelizmente os visados são sempre os mesmos, pessoas que lutaram para conseguir o que tem, que construíram a sua felicidade com dedicação, paciência e muito amor... pessoas que se evidenciam nas mais diversas áreas profissionais, no campo sentimental, mas que ainda assim não deixam de ser humildes e ordeiros para com os demais. Pessoas que nunca fizeram mal a alguém, com condutas irrepreensíveis, mas que são arma de arremesso e espelho para as frustrações alheias.

Li uma vez que as pessoas "iluminadas" fazem disparar muitos ódios contra si, porque o ego dos homens é como o veneno de uma cobra que mata, destrói, consome... silenciosamente. 

Sabem não tenho medo de nada, nem de ninguém e sim, como muitos já devem ter reparado sou uma activista que defende e luta pelos seus ideais... ideais de igualdade, do bom relacionamento entre os homens... vivemos numa perfeita utopia onde os reais valores existem na teoria, na literatura e não na prática. 

Como Martin Luther King disse - "o que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silencio dos bons " ou "não permitas que algum homem te rebaixe o suficiente a ponto de te odiar" ou "As nossas vidas começam a morrer, quando calamos coisas que são verdadeiramente importantes". Não são apenas frases bonitas ou eruditas, revelam a verdade dos factos... todos nós temos algo a dizer, a sentir, viver, então porque razão nos calamos? Vive cada um dentro do seu mundo e tudo aquilo que não corresponde é posto de lado e o mais engraçado as pessoas honestas, simples e humildes são sempre aquelas que levam com a vida toda minada por gente invejosa e sem caracter... triste não é? Pergunto o que ganham estes seres com tudo o que fazem? São felizes depois de fazer mal aos outros? Não, não são! Falta-lhes o essencial, paixão por viver, paixão por ser quem são!

Porém, o divino existe e tudo se sabe, a justiça chega mesmo que tarde, mas chega! É aqui que entram as bazófias e os rabos de fora. Rabos de fora porque aqueles que fazem mal mais tarde ou mais cedo deixam cair a máscara definitivamente... bazófias porque um verdadeiro amigo não é aquele que repara no que o outro veste, não é aquele que quer saber detalhes da vida intima, não é aquele que usa e abusa da imoralidade para amedrontar e humilhar o outro. Amigo não é aquele que usa factos da vida de outra pessoa para se evidenciar. Infelizmente, acrescento, a inveja também existe no seio da nossa família, sendo essa, muitas das vezes a mais destrutiva!

Aconteceu hoje algo comigo que mostrou que tudo aquilo que é "acessório" acaba por desaparecer. 

Quero pedir a todos que possam ler estas linhas o seguinte: protejam as vossas vidas, não deixando que terceiros interfiram na maneira como quem vos ama vos olha. Não descurem, nem minimizem os sentimentos de quem ao vosso lado está por tudo e para tudo. Os infelizes, os invejosos, os sem alma usam a manipulação para iludir... cuidado!

A vida são dois dias, não gastem esses dois dias que vos resta, que nos resta, a alimentar ódios, interferências. Não façam da vossa vida um calvário, um inferno... olhem aí para dentro, o coração, o coração tem respostas para tudo e ele nunca se engana! Sabem quem realmente é de confiança? Não é aquele que atira a pedra, é aquele que leva com a pedra para nos defender...e somente os que amam incondicionalmente o podem fazer. E sim, levarei com quantas pedras forem necessárias até morrer, mas enquanto viver, enquanto amar, ninguém tocará no que de mais importante tenho e terei em vida ou até além dela.

Ser cruel não é ser humano, ser humano é ter a capacidade de amar, de ser amado. No fim da linha o divino irá vos perguntar: que fizeste com o tempo que te concedi? Da nossa parte ele espera a resposta: fui feliz!

Deixo-vos um beijo do tamanho do mundo e a música da Adele, com a tradução do refrão!

Alexandra Martinho





"Deixa o céu cair

Quando desmoronar

Estaremos de pé, orgulhosos

E tudo iremos enfrentar
Juntos
Deixa o céu cair
Quando desmoronar
Estaremos de pé, orgulhosos
E tudo iremos enfrentar
Ao cair do céu
Ao cair do céu"


sem medo em frente, porque o nosso mundo, é nosso e pode ser bem melhor!


6 comentários:

  1. Sabes que muitas vezes o silêncio impera por medo de represálias, porque julgamos tememos o julgamento.
    A vida é mesmo assim a forma de a ultrapassar é mantermos o que somos o mais honesto possível e viver como se acabasse amanha... como se fosse o único momento que temos.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Um dos grandes cancros da humanidade, e em particular dos portugueses, é precisamente a inveja. Curiosamente, a palavra portuguesa é a que mais fiel se mantém à sua origem latina, vem do facto de não querer ver e é simbolicamente representada por uma mulher que não que ver (qualquer semelhança com a figura da Justiça não deve ser pura coincidência). E antes que digas que isso é um sinal de desprezo para com a figura da mulher, digo antes que é por ser uma palavra feminina, tal como a esperança, a caridade ou a fé (igualmente representadas por mulheres).

    No caso particular dos portugueses, lembrei-me duma anedota que reflecte a mais pura das verdades: dois homens estavam a apanhar caranguejos, sendo que um deles levava um balde sem tampa. O outro pergunta-lhe se ele não tem medo que os caranguejos fujam do balde, ao que ele lhe respondeu: "Não te preocupes. Os caranguejos são portugueses. Se eles virem algum a querer sair do balde, puxam-no logo para baixo". A inveja é uma das coisas que mais se usa. Não se convive bem com o sucesso alheio e como a galinha da minha vizinha é sempre melhor que a minha... Assim é claro que com o mal dos outros pode qualquer um bem!

    A solução é sermos superiores em relação aos sentimentos destrutivos. Como em tudo ou quase tudo na vida, nada como sermos diferentes e fazermos a diferença. Não é por acaso que dizem - e eu sei - que eu sou do contra. Com muito orgulho. Porque se é para ser igual aos outros eu seria apenas mais um.

    E permite-me discordar de ti e da ruivinha. A vida não são só dois dias nem o mundo vai acabar amanhã... Se realmente fosse assim, e acreditássemos piamente nisso, de certeza absoluta que neste momento não estaríamos onde estamos e a fazer o que fazemos. Logo, só nos compete sermos o que somos no tempo que temos, que é único.

    "Vale a pena viver como pensamos, sem pensarmos como vivemos" (José Adelino Maltez).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fire,

      para mim dizer que a vida são dois dias é uma forma de dizer que a mesma é curta demais para ser desperdiçada em vão... não acredito que o mundo vá acabar, mas acredito que a espécie humana que hoje conhecemos termine sim! Disso não tenho dúvidas! Beijinhos!

      Eliminar
  3. Alexandra és Idealista com laivos utopicos..... mas atenção és PERSISTENTE...e dura, dura, como as pilhas Duracell..

    Reviralho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Reviralho,

      e dura, e dura e dura! Evidentemente que tenho noção de ter rasgos de alguma utopia... mas é normal, o que deveria ser realidade é utopia e o que é utopia é a realidade que vivemos...

      Sou uma mulher de armas, literalmente!

      obrigada pelo comentário! 

      Eliminar
  4. Como costumo dizer, tenho um coração grande para amar, mas pequeno demais para ódios e ressentimentos, são sentimentos que fazem mal a todos os intervenientes.

    :)

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)