quarta-feira, 31 de outubro de 2012

*Palavras*







Alexandra da Dinamarca




"A nível de auto-estima, experiência terrena e auto-realização, é a Essência a grande senhora. É ela que sabe o que te vai fazer feliz aí em baixo. Com os recursos aí de baixo. Ela é quem tem o teu plano de vida aí em baixo e é responsável por fazer com que tu o cumpras da maneira mais criativa possível. Criando um eu novo a cada dia. Ou, pelo menos, rejuvenescendo-o a cada dia. E hoje é o dia dela. Faz algo que desejas fazer há muito tempo. Tem essa coragem. Essa ousadia de correr atrás do que te faz feliz. Vai. Faz isso. E oferece essa ousadia à tua essência. Dá-lhe. Mostra o quão gostas e confias nela. Conversa com ela. Pergunta-lhe
o que é que ela quer que vistas hoje, como gostaria que penteasses o cabelo, e por aí adiante."

Por semana é enviada para o meu e-mail uma "mensagem de luz", pensamentos que nos fazem pensar, sentir, interiorizar e muitas das vezes interpretar o que se passa connosco. Apesar de para mim estes dias serem pautados por recolhimento e introspecção é, uma verdade, que todos merecemos fazer de vez em quando o que nos dá na real gana e eu ando a passar efectivamente por essa fase. 

A vida vai-me mostrando com as suas lições lentamente, qual é o meu lugar neste mundo, qual é o meu propósito. Não acredito no halloween ou dia das bruxas, mas acredito e tenho o máximo respeito pelo dia dos finados que é amanhã. Por vezes, gostaria de trazer do céu quem já partiu e tanta saudade deixou, mas sei que onde quer que eles estejam, olham por mim e têm orgulho no ser humano que criaram e viram crescer. 

Os abanões começaram cedo, as perdas idem aspas aspas, fui forçada a crescer para proteger, compreender e estar presente quando o mundo esteve prestes a ruir... dei e continuo a dar o melhor, o que tenho e não tenho. Se não der o melhor de mim quem serei eu afinal? Aprendi o melhor e o pior da vida com afectos ou sem eles, aprendi a reconhecer o lado negro e o lado humano do homem... os medos, as fraquezas, os desejos, as histórias, as certezas, os sonhos... eu sei qual é a dura realidade da vida, mas sei também, que o lado doce deve ser saboreado sem pensar em pecado.

Duramos pouco, a nossa vida é leve como uma pena, nada é nosso, tudo o que é palpável é ilusório... 

Fui preenchida e acompanhada por anjos que me deram amor, pessoas que inspiraram e outras que continuam a inspirar tudo aquilo que escrevo. Parte de mim está aqui, para quê inventar histórias e justificações? Quando amamos a vida, quando amamos o ser que somos e essência que possuímos amamos os outros... incondicionalmente amamos!

Falo de amor, escrevo de amor para amor, porque o amor é como uma flor que se deseja  mas onde existe o medo de colher porque pode murchar e desaparecer. Tenho um misto de Catarina Eufemia com toques reais de D. Estefânia, não é presunção, é maneira de ser... a minha! Não separo o prático do sentimento, nem conseguiria viver ou sobreviver se em mim amor não habitasse... self-respect, proud of myself! Num mundo pintado a cinzas de desprendimento, onde pessoas são números e afectos mercadorias... clamo por cumplicidade e paixão para todos, sim para todos... e que todos sejam felizes!

Sou grande, sou a verdadeira imagem de quem... onde a luz afasta a sombra e no meu coração a emoção mora!

Um beijo a todos!


Alexandra Martinho



9 comentários:

  1. Pois é, Alexandra, as pessoas são meros números. Por isso é importante haver quem faça a diferença!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. OLá Alexandra,
    D. Estefânia, a mulher de D. Pedro V? A do "Trágico Amor"?

    Muitos viram-na como um anjo que trouxe a esperança que tanto lhes faltava. A nós também já está a faltar esperança.....

    Beijinho
    (Feliz dia de finados)

    ResponderEliminar
  3. De facto, à medida que a humanidade e o mundo supostamente vão evoluindo, pior vai tudo ficando. O homem chegou à lua, mas continua tantas vezes com dificuldades em cumprimentar o seu vizinho. O homem atravessa as pontes, mas não constrói verdadeiras pontes de amizade com quem está perto de casa. O homem quer gostar sem saber amar, e tenta amar sem saber gostar. O homem de hoje junta anos à vida, mas não junta vida aos anos. O homem de ontem tinha fé, hoje já nem sabe o que é a fé: cai em mitos enganadores e em crendices que lhe fazem crer ser o que não é que lhe prometem poder ter o que jamais terá. Como escreveu São Marcos, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

    ResponderEliminar
  4. Olá Alexandra,

    Não gosto de "palavras", nunca me dei muito bem com elas, mas gosto de acções, de sentimentos.
    Todos os dias tenho um objectivo: ser feliz, fazer alguém feliz.
    Isto serve?

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alexandra,

      Fiquei preocupado com o meu comentário.
      O que eu quis dizer foi que as palavras por vezes magoam, por vezes ficam aquém do que se quer dizer( e então se for alguém "trapalhão como eu), que era muito melhor se "escrevessemos" com os sentimentos.

      Outro abraço

      Eliminar
  5. Tens uma magnífica capacidade para usar as palavras certas. Gostei! Mais um factor X!

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  6. Que delícia de escrita!

    E a música? Cinco estrelas.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Segundo parece a vida tem sido, ela mesma, uma grande lição para ti.
    Que nunca esqueças os ensinamentos, que nunca esqueças(amos) o Homem, na sua dignidade e integridade.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)