quinta-feira, 4 de outubro de 2012

*Recordar*








Recordar é viver, viver é nunca apagar mas sempre aprender... com os erros nos fortalecemos, encontramos os verdadeiros intentos de estarmos aqui neste mundo presentes e sempre atentos. Cada passo que damos, cada gesto que fazemos é da nossa inteira responsabilidade, palavras que dizemos, gestos de amor e de carinho que fazemos, apenas do nosso coração deveriam surgir. 

Aprender, aprender a gerir as emoções, sem inibir o choro que nos liberta de reprimendas e correntes que afligem, que magoam e corroem a alma. 
No fim da vida, dentro do nosso ser, saberemos que a nossa caminhada foi feita segundo aquilo em que sempre acreditamos e que ousamos fazer, porque gostávamos e soubemos existir deixando um legado de valores e mais valias aos nossos amores! 

Espero que um dia cada um de vós, cada um de nós possamos dizer: "Para ti olhei e no meu mais intimo interior disse, se olhas em volta um desejo te concedo... faço do teu sono o mais bonito parecer, um eterno desejo realizado com um sorriso rasgado teu ser!
A ti eu olho, a ti esta palavra mágica ouso dizer... amar-te-ei até ao fim do meu ser e de todas as constelações do universo que nos aquecem neste ninho de prazer ♥".



Deixo umas escolhas musicais, com votos de um excelente fim-de-semana a todos!


Beijinhos!











5 comentários:

  1. Recordar é bom, é mau ou nem por isso?
    Depende, claro.

    Mas há sempre coisas boas para recordar. Aproveitê-mo-las através do lado positivo da nossa mente.

    E que Eric Clapton cante, toque e nos fale de uma noite maravilhosa, que os Whitesnake nos questionem sobre o amor, que Cher nos diga que o amor dói.

    Recordar é viver!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Recordar é viver, sim, mas há quem vive para recordar e deixa a vida estagnar-se. As recordações são como uma viagem no tempo, se não temos hoje um amor, procuramos lembrar-nos que já o tivemos, e mesmo que agora não tenhamos um amor para o vivermos, voltamos a vivê-lo puxando pelas recordações, suprimindo lacunas do desejo e da carência... é, no mínimo, um ciclo vicioso.

    Dantes também vivia muito o passado, mas apercebi-me que, ao viver muito o passado, deixava de viver o presente. E se não vivo o presente, que é efectivamente um presente, quem o fará por mim? É no presente que tudo está em aberto. O passado já aconteceu e o que aconteceu já não pode ser mexido. Vivamos o passado quando o presente deixar.

    Eric Clapton... enorme!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. A vida é feita de tudo isso.
    Afectos, recordações - boas e más -, vivências, e vivências e vivências.
    E lutas, quantas vezes desiguais, e afectos, sempre os afectos.

    "Amar-te-ei até ao fim."
    O fim da vida, o fim da caminhada, e...?

    "Amar-te-ei até ao fim".
    ???

    Bom fim-de-semana.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Olá Alexandra,
    Depois de uns dias de "molho" aqui estou de novo a chatear-te:)

    Recordar é puxar a memória para as coisas boas da vida. Normalmente as coisas poucas da vida. Quando são muitas, a vida tornou-se feliz! Fez-nos felizes.

    Assim é bom recordar!

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Recordar é sinal que vivemos! As nossas recordações são aquilo que somos, ainda que haja aquelas que gostamos de relembrar e outras nem por isso. Viver é assim mesmo :) Mas considero que a nossa memória é dos bens mais preciosos!

    Beijinho

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)