terça-feira, 9 de outubro de 2012

*Silêncio*



Para mim, o silêncio é e continua a ser ouro, com banhos de prata nas palavras que verbalmente não são ditas.
Estou cansada, cansada de ouvir, de sentir e ver... agora quero apenas um coisa, silêncio!
Necessito neste momento de mergulhar em mim, descobrir afinal o que perdi porque receio ter o brilho dos meus olhos a desvanecer. É hora de entrar na minha mente, no meu coração... não necessito de um retiro apenas do silêncio e da ausência de tudo aquilo que neste momento me perturba. Não tenho por norma culpabilizar terceiros pelas minhas falhas, pelos meus erros, porque não sou cobarde, porque não utilizo nada para desculpar as minhas próprias fraquezas.

Prefiro o silêncio que aproxima, a palavras que afastam e magoam... com o silêncio estou a dizer (porque silencio é uma comunicação não verbal): "Agora, agora quero fechar os olhos e esquecer do resto e dos outros... agora estou eu e depois eu novamente, talvez mais tarde, mais tarde volte a pensar e sentir que é hora de atender e entender quem me rodeia... para já não consigo! Quero entender o que se passa comigo, primeiro" E hoje, agora e talvez amanhã é o que de imediato posso dizer.
Dizer que estou triste, ou magoada, seria errado, quero apenas dizer que quero estar só. 

Momentos tenho em que fico cansada de andar na luta, de ouvir os gritos, de ouvir a confusão... de sentir um turbilhão de emoções stressantes, de viver ao fim de contas algo que não me pertence. De ver centenas de humanos que não se valorizam procurando nas portas alheias falhas e algo que possam dizer ou contar. Desde pequena que ouço esta expressão: "No meio da confusão, da bisbilhotice tu poderás ser sempre a porta que fecha e encerra o ciclo. Esse é o teu poder e de qualquer outra pessoa, nunca esqueças de o usar. Porque muitos antes de falar, antes de perguntar deviam olhar o espelho da razão e da humildade" O que mostra a outra importância do silêncio. 

Vou entrar no interior da mulher que continua a ser a menina que muitos tentam fazer crescer a todo custo, a toda a força. Mas eu, eu não quero crescer, já cresci... agora quero simplesmente saborear cada momento da minha vida com tranquilidade e paz... longe de olhares e pensamentos que possam ousar interferir naquilo que tanto tempo demorei a construir... Nunca me afasto de quem me ama, mas a eles também ofereço o meu silêncio porque se amo, é incondicionalmente, e não é intencional tudo isto que faço... 

Tenho tanto guardado em mim, tenho tanto do que já vivi, e renasci, sendo nesse "já vivi e renasci" que ouso novamente mergulhar, para sentir e dar aos meus olhos o brilho que tanto merecem, porque são grandes e lindos para se contemplar. 
O meu silêncio mascara afectos positivos e disso nunca ouse alguém duvidar, mas além disso é a resolução que encontro para o meu "eu" uma vez mais se encontrar já que acho que se perdeu algures por aí... Sabem de uma coisa? Para mim é difícil exprimir muitas das vezes o que sinto e penso verbalmente, não que não seja coerente, mas os meus pensamentos tem uma profundidade tal que ao exprimir eles perdem a sua essência, a sua magnitude... ficam até um pouco idiotas... deformados. Assim, faço uma coisa, escrevo e ao escrever choro, liberto e ao dar a ler, não somente me entendem como podem chorar também... mas a mensagem principal eu consegui passar.
Serei difícil de entender? Talvez! E é por isso que tanto gosto do meu silêncio, no meu pedaço de céu nunca estando totalmente alienada daquilo que se passa na terra... mas estou só, só eu!

Não me entrego a debates fúteis ou jogos de poder de persuasão para testar quem tem razão, porque sinceramente muitas das vezes a razão está de ambos os lados e é perdida mutuamente pelos braços de ferro que se realizam. Silêncio... não vou cantar o fado, mas vou pensar e encontrar, contemplar o belo, olhar o pormenor, sentir o infinito... por isso... silêncio! Quando escrevo, escrevo para não ter de falar e desabafar com quem não entende, com quem não sente o mesmo que eu... e nesta vida nada para mim é pior do que esbarrar em paredes de incompreensão que apenas se preocupam com o seu próprio umbigo e não mais além que isso... perfeita desilusão para mim, por isso, deixem-me estar em silêncio...

Eu respeito a minha vida, valorizo o meu dia... e sei que qualidades tenho! E se tiver de chorar que me deixem chorar, porque sei afinal que defeitos tenho a necessitar de uma obra de desmantelação para que a minha perfeição mesmo que imperfeita faça de mim um ser melhor do que fui ontem! 

I'm a perfect girl, a perfect child... with a perfect gift and a perfect heart... 


vou deixar umas músicas:








Silencio não é ser fraco é apenas ter o poder de ser humilde e sensato nas mãos!

Um beijinho!

8 comentários:

  1. Essa música do Darko, vulgo Zé Manel, é perfeita. :') Gosto de saber desfrutar os silêncios.

    ResponderEliminar
  2. Disseste tudo. Todos nós precisamos muito de momentos de silêncio. Há silêncios que dizem mais que muitas palavras. Lembrei-me da quantidade de coisas que um simples olhar pode transmitir, bem mais do que meras palavras. Todos nós por vezes no meio da confusão de palavras e sentimentos, escutamos o silêncio, o nosso silêncio, porque é esse ironicamente o ruído que mais desejamos ouvir. Porque o silêncio pode ser ensurdecedor, mas que é sempre necessário... ainda que eu por norma seja sempre pela verdade, por mais que ela magoe, também momentos há em que o silêncio pode dar a entender que há a preferência pelo caminho do não sofrimento. Quem cala consente, lá diz o velho ditado.

    Cansaço de lutar é algo perfeitamente normal por entre as deambulações do dia-a-dia. O que vale é que há sempre um amanhã em que as coisas podem correr melhor que hoje. A luta que se trava é uma luta constante, com recuos e avanços, mas o mais importante é estarmos sempre na luta nem que isso signifique que acumulemos tristezas e ressentimentos. É que por muito que nós nos deixemos cair, também sabemos levantar-nos depois, insistentemente, e seguir em frente com a vida, com o sonho, pois o caminho é sempre para a frente, e, como bem dizes, no dia em que deixares de sonhar, deixas de ser tu própria. Com ou sem palavras, a vida segue o seu curso, escreve as páginas do seu livro e junta-se às voltas que o mundo dá.

    A incompreensão há-de haver sempre porque nem todos vivem no mesmo mundo. Importa é estabelecer pontes que liguem os mundos, com respeito, talvez também com aceitação, para haver uma coexistência. Até porque os mundos estão lá e o universo engloba-os a todos. Fazer de conta que eles não existem seria um egocentrismo sem tamanho.

    Que possas no teu silêncio de cada dia extrair a força necessária para continuares a ser a pessoa forte e maravilhosa que eu tenho a certeza que tu és.

    Beijinhos.


    PS. Boa selecção de canções. 'Earth Song'... ahhhh velhos tempos. Não tenho problemas nem vergonha de dizer que eu sempre fui fã do tio Mike desde criança. :)

    ResponderEliminar
  3. Tens de te saber ouvir também meu anjo.
    E muitas vezes o silêncio diz tanto

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Alexandra,

    O silêncio que mascara afectos? O silêncio como tentativa de encontrar o "eu"?

    "O meu silêncio mascara afectos positivos e disso nunca ouse alguém duvidar, mas além disso é a resolução que encontro para o meu "eu" uma vez mais se encontrar já que acho que se perdeu algures por aí..."

    Onde ficam os afectos positivos, Alexandra, onde ficam?

    Não te feches no silêncio, não queiras.

    Protege-te, mas...?
    ... mas apetece-me dizer, não vás por aí!

    Beijinho.




    ResponderEliminar
  5. Olá Alexandra,
    Para quem quer tanto o silêncio, colocaste muito barulho....gosto muito dos Inxs!

    O silêncio é de ouro quando o que se tem para dizer muito de nada. É sempre necessário procurar que as palavras sejam melhores que o silêncio porque este, como diz a Utena e bem, por vezes diz muito. Eu diria mesmo, diz tudo!

    Podes usar o silêncio para mascarar afetos (aqui já não concordo com a Teresa....já não era sem tempo), pois estes não precisam de palavras. Por vezes um olhar diz mais que todas as palavras que possamos dizer.

    E não deixes de ser menina, por muitos 21 de Outubro que o calendário te traga....nem deixes de gostar de chocolates!!!:)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Alexandra
    Todos precisamos dos nossos momentos de silêncio, de introspeção, ou simplesmente de descanso mental. Mas não como fuga! Não te encerres no silêncio!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  7. Alexandra, posso?

    JP,

    Eureka, até que enfim! Não concordas? Ok!

    Sabes? É que considero que o silêncio tem um poder castrador, destruidor. O silêncio pode ser mais demolidor que todas as palavras juntas.

    Os olhos?

    Silêncio de olhos vendados? A única solução.

    Não, decididamente, não vejo a questão dessa forma, mas respeito, se respeito.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Menina Teresa, (Alexandra dás licença, não dás? obrigada....trás aí um chocolatinho, não a Teresa não gosta)

      Ora pensa lá bem, pensa Teresinha. Puxa pela cabeça, que vais ver que concordas, agora tu, comigo!

      Repara: quem não compreende um olhar, para quê uma longa explicação? (estamos no domínio dos afetos tá bem?)

      Beijinho
      (mas também podia dizer apenas....olho para ti!)

      Eliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)