sábado, 17 de novembro de 2012

*A Luz Do Mundo, o Sal Da Terra*





Sim, António Vieira, tu é que tinhas razão, tu é que pregavas bem o teu sermão fosse ele somente para os "peixes" ou não!
Por certo, que hoje, muitas voltas dás nesse teu túmulo onde te encontras, tu e todos aqueles que lutaram para fazer do nosso Portugal uma nação digna, honrada e com valores. Livre da escumalha, dos "polvos", dos "voadores" e castradores de sonhos que teimam em matar estas gentes.

Lentamente perdemos, uma vez mais, a nossa liberdade de expressão, de falar sobre temas e assuntos com outros interesses. Tudo caminha sempre com uma, ou para uma única direcção: crise! Mas faço uma questão, não será que Portugal esteve sempre em crise? A história comprova isso! Porém vivíamos de uma maneira diferente, dávamos maior significado às pequenas coisas e agradecíamos quando alcançávamos aquilo que parecia ser inatingível.

Foram séculos, foram décadas de excessos... excessos de governação, excessos de abuso de poder, excessos para se parecer ser aquilo que na realidade não se é... excessos!
São muitos aqueles que hoje tem alguma dificuldade em por comida na mesa, que não tem culpa destes excessos, mas que apanhados foram pelos tentáculos dos polvos que se esqueceram dos homens e mulheres de trabalho que continuam a dar vida e luz por esta nação.

Nem todos se sobreendividaram, muito pelo contrário, sabiam que podiam pagar as suas contas, as suas obrigações. Mas de um momento para o outro veio o desemprego, o aumento dos preços e do custo de vida... muitas poupanças se perderam no meio de tudo isto para pelo menos segurar a casa, para assegurar a continuação da educação dos filhos.

Não acredito em sacrifícios, acredito na reaprendizagem da vida, no começar do zero, na substituição de coisas supérfluas por outras igualmente saborosas e prazerosas! Não devemos ter medo, porque enquanto estivermos vivos continuaremos a ter duas mãos para trabalhar e transformar. Tal como uma cabeça para pensar e inventar! O nosso país ainda nos oferece saídas, há muito por onde pegar, basta ter oportunidade, vontade e incentivos!

Não me interessa o que os "polvos" dizem, ainda que me interesse o que eles decidem porque isso influencia a vida de cada um de nós, interessa aquilo que a minha cabeça e coragem pedem que eu faça. Pensar e agir! É difícil, sim é... levamos com tanta burocracia que é desmotivador fazer algo para o nosso futuro profissional, mas interessa, NÃO DESISTIR!

Não desistam Portugueses, porque eu também não! E a propósito, ontem, chamaram-me de capitalista porque recuso a falar em crise, a sair do meu país, porque ouso falar em investir quando só se pensa em fugir para uma vida melhor longe daqui!







Bom Sábado a tod@s!


Alexandra






4 comentários:

  1. Nesta vida o mais importante e superar nossos desafios diários ,principalmente acreditar em nos proprios,termos coragem para ultrapassar as barreiras que se vao deparando na nossa vida , concerteza serao muitas as prioridades mas acredito que cada desafio sera superado com otimismo, basta acreditar que tudo e possivel .

    ResponderEliminar
  2. Estás a ser excessivamente optimista, rapariga. Portugal não vai endireitar-se tão cedo... não antes de 2030. Por este andar ainda muita gente vai sofrer, o desemprego ainda vai aumentar mais, a inflação ainda vai apertar mais... tanto assim é que eu já estou decidido em voltar para a minha terra natal porque isto aqui infelizmente não tem ponta por onde pegar... o processo de reindustrialização ainda vai demorar para dar o seus frutos, tal como todos os esforços necessários feitos até agora. A destruição foi rápida e simples, mas quando se trata de reerguer, aí é que são elas...

    Em relação à crise, a crise já existia há muito tempo, mas a de princípios, de valores, espiritual... Curiosamente, o mesmo Pe. António Vieira disse o seguinte: "antes baptizava-se os convertidos; hoje é preciso converter os baptizados". Não é este Portugal sem rumo que se tornou no que se tornou depois de muitos portugueses terem abandonado e renegado a fé dos seus avós, a mesma fé que permitiu o nascimento da nossa nação, a mesma fé que moldou os alicerces da nossa civilização ocidental? Tal como impérios caem devido às traições, também o nosso destino estará intrinsecamente ligado à apostasia.

    Mas compreendo que no fundo deve existir sempre uma secreta esperança em relação a um futuro melhor. Para ajudar Portugal a sair da crise é necessário estar em Portugal.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Não tendo nada a ver e tendo tudo a ver, este ano já pensei como vai ser o Natal (para quem o celebra que é o meu caso), este ano o momento alto do Natal não vai ser a troca de presentes caros como se veio a tornar, este ano o momento alto do Natal vai ser o reencontro, se calhar estava na altura de dar-mos valor a essas coisas que se tinham perdido com o tempo, são as tais coisas que a crise tem para nos ensinar :)

    Eu gosto muito do teu optimismo, e eu também estou contigo :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)