quarta-feira, 14 de novembro de 2012

*Inveja Como Última Palavra dos Lusíadas*







Por incrível que possa parecer a grande obra literária de todos os tempos, "Os Lusíadas", não termina com amor, saudade, dor, ardor, pudor. Termina, simplesmente, com a palavra "Inveja"! Sim, a mesma que corrói vidas, aquela que define um ser humano nas suas piores qualidades. 

Quem nunca bocejou até lacrimejar sem ter sono que ponha o dedo no ar! Quem n

unca sentiu cansaço sem propósito, dor de cabeça aguda, insónias, pesadelos, sonhos agitados, peso nos ombros ou alterações drásticas de humor após ter estado em determinado sitio ou com determinadas pessoas que o diga.

Estranho? Não, não é!

Todos os dias estamos ou somos expostos a múltiplas energias, fluidos que afectam o nosso campo espiritual, carregando a nossa "aura" de negatividade que afecta o nosso bem estar emocional e físico.

Espaços envolventes, conversas negativas carregadas de queixas, indivíduos que muito gabam a vida dos outros (casa, carro, mulher/marido, filhos, actividade profissional, roupas), e que ainda se fazem de vitimas considerando o outro como um sortudo são motivos para estar alerta e ter precaução.

Como é obvio não podemos deixar de sair à rua e conviver com outras pessoas, mas devemos procurar formas de protecção, como por exemplo: não permitir que a nossa privacidade ou intimidade seja acessível aos demais.

Infelizmente, na actualidade, vivemos numa sociedade altamente competitiva em que de inúmeras formas se tenta derrubar ou ultrapassar o outro. É o colega de trabalho que não gosta de nós e manipula o chefe, é aquele vizinho que compra um carro igual ao nosso só para mostrar que também pode ou aquele desconhecido que se dirige a nós e sem nos conhecer tem conversas despropositadas como se algo pretendesse saber!

Quem vê caras, não vê corações e nem sempre um belo sorriso por nos ver felizes e contentes, é verdadeiro.

Os olhos são como espelhos, lentes que contêm energia do nosso corpo, da nossa mente. O olhar pode fazer o outro prosperar, pode curar, abençoar, regenerar, ou simplesmente, destruir, levando em alguns casos à própria morte.

A ganância, ódio, rancor, vingança, despeito, egoísmo aliados à inveja são dos piores sentimentos que um homem pode sentir por outro. Sentimentos esses que começam desde muito cedo, quando os meninos e meninas querem aquilo que outro tem só para não se sentirem inferiores. Perde-se a essência da alma por tão pouco, dando lugar ao parecer em vez do ser.

Quando falamos em inveja, falamos quase sempre de uma maneira despreocupada. Nem sempre entendemos que a mesma pode arrasar com tudo aquilo que construímos caso não tenhamos força interior para superar obstáculos. Caso não tenhamos a destreza necessária para continuar a remar contra a maré... O poder de se ser diferente está na mente, no coração.

Esquecemos, esquecemos de pedir pela nossa divina protecção, pela nossa felicidade e agradecer por cada dia das nossas vidas. Damos tantas vezes aso mesmo sem culpa a que invasores corrompam o nosso jardim do éden... sim, cada um tem o seu jardim do éden, o espaço onde todos podem e devem ser realmente felizes com os seus entes queridos.

Tenham cuidado, é o que vos peço, para isso deixo-vos alguns sintomas frutos da inveja ou também do dito e muito conhecido quebranto:

- Bocejar sem ter sono;

- dores de cabeça intensas e constantes;

- peso nos ombros;

- deitar cansado sem força anímica e acordar ainda mais cansado;

- insónias;

- dificuldade de concentração;

- Pessimismo constante;

- peso nas costas e ombros;

- A vida passa a ser um projecto que se adia, onde nada motiva, ou nada é suficientemente interessante;

- Vegeta-se a ver televisão, a jogar computador;

- Reclama-se constantemente de que nada corre de feição;

- entre outros...






O que podemos fazer para evitar isto?


Elevar os nossos pensamentos, devemos permitir que a nossa mente ao acordar seja estimulada assim: "hoje, eu sei, que tudo irá correr bem! Com ou sem obstáculos, nada fará com que eu saia da minha rota e me torne infeliz. Eu sou responsável por mim, pelo meu dia, pela minha vida! A minha alegria só terá fim se eu permitir."

Experimentem! Tenho certeza de que os vossos olhos irão ver o mundo de uma outra maneira, pelo menos, com cor!

Namasté!














Alexandra Martinho





6 comentários:

  1. Hoje vivemos numa sociedade egoista materialista,sem olhar a meios para se atigir os fins ,a inveja ,odio impera a nossa volta ,porque o verdadeiro sentido da vida que deveria ser amar o proximo deixou de fazer sentido.Mas como e mais facil fazer o mal que o bem ,continua-se a praticar o mal ,em vez de simplesmente perdoar ,pedir desculpas pelo mal que fazemos e agradecer a Deus todos os dias por mais um dia .Beijo

    ResponderEliminar
  2. Sabes, Alexandra?
    Eu quero é ser feliz!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  3. Há uma vivência deprimida em cada um e a necessidade de 'ter' e não de SER.

    Não há valores norteadores. Não há limites.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  4. Nem imaginas como este post é feito à minha medida :)
    Tenho tudo o que descreves e acredita que vou seguir o teu conselho.
    Obrigada pelo energia positiva.
    Namasté!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Menina Alexandra, vou tomar a liberdade de adicionar o seu fantástico blogue à listas dos meus outros devaneios...se a donzela tiver algo a objectar faça o obséquio de dizer. Kissinhos cá do je!
    :)))

    ResponderEliminar
  6. Libertei-me de um peso imenso que carregava nas costas recentemente graças a um mantra desse género :) No meu caso não estava relacionado com inveja (bem pelo menos não directamente) estava relacionado com o peso de uma culpa que não era minha que me fizeram carregar, e o que fiz eu? Devolvia, e as minhas dores nas costas passaram :)

    Acontece-me com frequência ficar com dores na garganta, por norma é porque tenho algo para dizer que tem de ser dito, e as dores passam.

    São realidades que face à formatação que me fizeram enquanto estudava neguei por muito tempo mas que tenho vindo a aprender e aceitar como inequívocas, muitas coisas estão diante dos nossos olhos e teimamos em mantê-los fechados.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)