quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

*Os malabarismos do Ego*





Muito se fala, muito se escreve, pouco se acerta, pouco se vive! Esta é a melhor maneira que encontro para definir como a população vive a espiritualidade, aliás creio que a mesma virou moda e por ser um terreno tão fértil é utilizado para facilitar a vivência humana em suas relações materiais, sociais, económicas e amorosas.
A espiritualidade genuína não é aquela que é pregada pelo meio das religiões, que utilizam a comunicação de massas, nem por meios alternativos que dizem desenvolver e despertar as habilidades espirituais dos indivíduos. 
Se todos pararem para pensar a pseudo-espiritualidade é aquela que continua a promover os mesmos valores, embora disfarçados, da sociedade capitalista em que nos inserimos. Dinheiro, dinheiro, dinheiro... tudo gira em torno de dinheiro, sendo caricato que Jesus que era Jesus, não cobrava nada a ninguém e ele sim, era um ser verdadeiramente espiritual. Era o exemplo da inocente forma humana que ajuda o outro porque sim, sem uma razão, sem um intuito, sem uma segunda intenção.
Espiritualidade não é, nem tem relação com prosperidade material ou reconhecimento de "faculdades especiais" (que originam rótulos, desentendimentos e estigmas). 


Escrever sobre espiritualidade é uma realidade complexa, complexa ao ponto de não a conseguirmos definir concretamente. Afinal, é uma porta aberta para o desconhecido... é um caminho que nos leva ao encontro do espirito, da alma, onde todas as certezas, onde todas as respostas estão guardadas à espera de serem desvendadas uma a uma. 
Somente o homem que não deixa morrer a sua criança interior se aproxima da verdadeira espiritualidade, lamento ter de o dizer. Com isto não critico, nem julgo, apenas aprendi a separar o trigo do joio e nunca descurei a minha intuição, o meu sexto sentido. Pouco importa se sou um ser iluminado ou não, não é isso que faz de mim a mulher que sou, a mulher que existe, existe porque seguiu o caminho que se comprometeu a seguir. Um caminho com obstáculos, um caminho com lágrimas, mas o seu caminho, o meu caminho. 

Uma criança quando se aproxima de nós quer colo, quer brincar, quer carinho... assim é a verdadeira espiritualidade. Já a pseudo-espiritualidade é como um adulto que se diz estar no caminho da luz, mas queixa-se, pede por resolução de todos os seus problemas do dia a dia, inventando subterfúgios na "espiritualidade literária" para não encarar a realidade que lhe é apresentada. Diz que fez isto e aquilo, mas tudo o que foi dito mais parece uma canja com entranhas de galinha.
Não dou conselhos a ninguém e quando falo deste tema, não falo dele directamente, nem apresento soluções... não tenho o direito, nem o dever de acrescentar carga kármica a quem comigo fala!

Espiritualidade para mim não é a maneira infantil como estes "novos mestres" tratam a humanidade, através de dogmas, de medos que são incutidos na mente e cegam o mais lúcido dos homens! Mas uma coisa é certa atraem legiões e ninguém os questiona. Questionem por amor de Deus! Não coloquem Deus numa posição de serviçal a quem recorrem e rezam quando apenas faz "trovões". Ensinem o perdão, o verdadeiro amor e deixem de lado a merda dos estigmas e preconceitos. Digam não aos padrões repetitivos, digam não às conversas ego-espirituais vazias e hipócritas... vocês não sabem se aquilo que vos contam é verdade, aliás, na grande maioria não é. São apenas maneiras disfarçadas de vos por em sintonia com algo que de outra maneira e de forma lúcida não fariam, nem ouviriam... mas também de mostrar que o caminho individual uma vez mais foi posto de lado, esquecido nem que por instantes.

Todos querem pôr nas bancas best-sellers, onde a verdadeira preocupação são os mercados, a lei da oferta e da procura. Onde a mensagem é sempre a mesma, salvemos o nosso planeta antes que seja tarde demais... mas esquecem que para isso tudo começa por uma mudança de conduta e hábitos diários. 
Silenciosamente, é assim que gosto de actuar na vida, porque somente assim me posso ajudar e ajudar aqueles que me são próximos... mesmo que eles não me ouçam ou entendam, sei sempre que mais tarde ou mais cedo a vida lhes mostrará o que uma vez disse.
Não importa o que tenho para oferecer ou dizer, apenas desejo felicidade a todos e que não se afastem daquele que é o vosso caminho por causa das loucuras alheias! Credibilidade precisa-se pois tanto se inventa!

Namasté!

Deixo-vos com uma música especial...






Alexandra Martinho




19 comentários:

  1. Eu continuo na minha!
    Todas as religiões são iguais porque Deus é só um!
    Ghandi!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo inteiramente, amiga! Mas o meu texto vai mais longe que isso, aborda questões de uma moda que anda a causar mossa e a desviar os indivíduos do seu verdadeiro eu...
      Teorias dos iluminados dos entrefolhos!

      beijos!

      Eliminar
    2. O iluminados dos entrefolhos existem há muito tempo e sempre vão existir porque as pessoas procuram sempre respostas em todo o lado menos nelas mesmas!
      E depois tens as modas do Hollywood com as suas manias que a espiritualidade é o mesmo que ir ao supermercado comprar sabonetes.
      Se juntares a isso alguém com um palmo de cara, bem falante e giro tens o jackpot na algibeira!
      Ninguém quer ouvir que o problema é porque as pessoas se acomodam, que o marido arranja a amante porque nos desleixamos! Que perdemos o emprego porque nos tornamos preguiçosos.
      Não queremos sempre colocar as culpas nos outros, na boazona do 2º esquerdo, no colega que nos lixou a ideia...
      É fácil proliferar com ideias absurdas de iluminação barata com meia dúzia de passar a mão pela cabeça, a culpa não é sua, com uns € e a história de ir ao cú da avozinha resolvo isso... a verdade é que resolve momentaneamente porque o nosso estado muda, tornamos-nos predispostos mais confiantes porque temos um talismã vazio!
      É preciso aprender a buscar a consciência a nós, onde errei e onde posso melhorar! EU!
      Não o vizinho, o cão ou o periquito! EU!
      Tão simples que chega a ser complicado!
      Namasté

      Eliminar
    3. Escolhi a música para este texto propositadamente, tem um enorme significado caso os ouvidos a ouçam com atenção.
      É fácil colocar as culpas nos outros, dificil é perceber que determinadas situações servem apenas para alertar e dizer que estamos fora da rota do nosso caminho!
      Enfim, eu podia ter escrito tanta coisa, Utena... mas acho que iria cair no mesmo marasmo daquilo em que não acredito! Eu não acredito porque desmonto todas as peças e ao mesmo tempo coloco em questão em que acredito, somente assim consigo ter a distancia para analisar uma situação convenientemente. Sempre ouvi dizer que quando somos obrigados a viver de determinada maneira observamos aquilo que os outros não decifram por entre as linhas...

      Um beijinho!

      Eliminar
  2. O Ego, na minha perspectiva, significa o eu de cada um de nós e o defensor de cada personalidade. A principal função do ego é procurar conciliar os desejos e a realidade, então como conseguir cortar essas amarras?
    Parabéns pela escolha do vídeo. Gostei muito!
    Um Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Ego não é o eu de cada um... o EU és tu enquanto ser humano que vive, sente e morre. 

      O Ego são os teus impulsos face ao mundo externo, fazes determinada coisa porque sabes que irás conseguir objecto ou recompensa A, B OU C!
      A resposta para a tua questão está em ti, não posso ser eu a dizer como se faz. Se reparares o meu texto é fruto do acumulo de muita informação que precisava ser debitada, retirada dentro de mim. 
      Ainda há alguns dias uma amiga contou-me que estava num bar e que um fulano qualquer a abordou para falar de espiritualidade... descrédito! Descrédito é o que dou as estas pessoas que andam a brincar com a própria vida...

      Ainda bem que gostaste!

      Beijinho!

      Eliminar
  3. Alexandra,

    infelizmente são muito poucos aqueles que têm noção disto que acabaste de transmitir! Parabéns!
    O mundo perdeu o rumo, as pessoas na sua grande maioria agarram-se a qualquer coisa que lhes apareça como uma tábua de salvação. Podre, o mundo está podre, daí toda a preocupação exacerbada com o dia 21 deste mês!

    Revejo o Nanã neste texto quando falas das crianças, das crianças que tantas vezes corriam a Jesus. Sim, aquele rapaz é como uma criança inocente, pura a quem esta terra tem castigado e continua a castigar com rótulos e outras coisas mais. Como já disse uma vez ele necessita ter cuidado, preservar o bem estar dele e dos dele. Muito provavelmente nunca parou para pensar nos sinais/avisos que a vida lhe transmite... eu também fazia isso, até ao dia em que aprendi a olhar, desmontar e por em causa muita coisa. Ainda bem que também o fazes.

    Apesar de sermos seres digamos, "despertos", não temos, não podemos, nem devemos sair por aí a ajudar tudo e todos, é errado. A verdadeira ajuda acontece quando mudamos os nossos hábitos de vida e somos como que um exemplo. Tantos já despertaram e ninguém sabe, pergunto eu porquê? A resposta é simples, espiritualidade é um caminho interno que não é proclamado aos sete ventos, nem é um estatuto que confere ao homem o grau de ser diferente dos da sua espécie.
    Não estou a criticar, nem a julgar, estou simplesmente a alertar para uma situação como tu também muito bem a sabes. Era bom que o mundo fosse perfeito, mas não o é, logo devemos precaver, proteger os seres que amamos mesmo que eles não gostem.


    Namasté!


    Revira-Fogo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revira-Fogo,

      obrigada pelo comentário. Efectivamente quando escrevi sobre as crianças lembrei-me do Fernando! Ele é puro e bom demais... as criaturas puras muitas das vezes não pensam duas vezes quando decidem fazer algo, o ímpeto de ajudar é maior que tudo o resto.
      Rótulos? Quem já não os teve não é verdade? É fácil apontar e dizer isto ou aquilo, é muito fácil humilhar, tal como utilizar pedaços do caminho de alguém para... nem sei!

      Numa coisa tens toda a razão, são muitos aqueles que já despertaram e andam por aí, deles ninguém sabe nada... circulam anonimamente entre todos nós porque querem protecção e sabem que essa é a melhor forma de protecção.

      Termino dizendo sei quem o Fernando é melhor que ninguém, conheço-o como ninguém o conhece e muit@s não gosta de mim pela minha frontalidade. Eles e elas desconhecem uma coisa, eu vejo mais além do meu próprio umbigo e vejo aquilo que são mesmo quando usam tantas máscaras!

      Namasté!

      Eliminar
  4. A espiritualidade e saber ouvir o nosso interior saber escutar o que a nossa voz interior nos quer dizer ,questionar e por tudo em causa quando nos tentam impor regras e devoçoes.Nesta busca incessante da verdade da nossa existencia a nossa consciencia nos leva a meditar nos liberta dos porques da vida ,rumo a paz interior onde Deus permanece , apenas precisamos acordar para saber que estamos vivos ,principalmente por dentro . Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Emanuel,

      disseste tudo, espiritualidade é saber ouvir o que o nosso espirito, a nossa alma quer dizer! Todos temos a capacidade de intuir, mas recusamos a intuição e vivemos em função do ego! 

      Obrigada pelo comentário...

      beijinho!

      Eliminar
  5. As pessoas agem demasiado para agradar os outros, sinto isso cada vez mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, deixam de ser quem são para simplesmente agradar!

      Eliminar
  6. Mas isso acontece precisamente porque as pessoas não sabem o que é a espiritualidade de verdade. Agarram-se às falsidades de "autores" e às demais tretas que existem hoje em dia e que abundam como cogumelos que nascem, como as tais cenas de auto-ajuda, e mais teorias de chacha com história mirabolantes como as das canalizações místicas, revelações pseudo-divinas, realizações astrológicas, projecções astrais, mediunidade, karmas ilógicos, vibrações cósmicas, etc. etc. Daí até ao relativismo é simplesmente um pequeno passo, pois para muita gente tudo serve porque tudo é igual e que todos nós por caminhos diferentes conseguimos chegar ao mesmo destino. Se de facto tudo isso é verdade então para quê é que servem caminhos diferentes? Porque é que eles sequer existem se é tudo igual? O que é que distinguiria, então, o Cristianismo das seitas? Isso apenas prova que próprio Deus, que é Deus, não agradou nem agrada a todos, o que faz com que existam muitos deuses falsos - ídolos - por aí, o verdadeiro pseudo-dogma do EU, o ego de muitas pessoas, que leva a que muitos pensem que realmente são auto-suficientes nesta existência, acreditando que podem, através de experiências sem fim ou de meditações anti-metafísicas, alcançar uma suposta comunhão com o divino, o Nirvana, elevando-se da situação da humanidade, tudo sem a chancela da lógica e da razão. E isto acontece porque o Demónio existe e uma das suas maiores proezas é fazer com que as pessoas acreditem precisamente no contrário. Não é por acaso que o Demónio, travestido em Serpente, disse assim a Adão e a Eva para que estes traiam Deus porque seriam como Ele.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fire,

      as pessoas procuram tudo fora delas... e um ser humano para ser auto-suficiente tem de ter fé, confiança em si mesmo. Deus não quer que dependamos dele, mas que vivamos segundo os ensinamentos básicos e baseados no respeito mutuo!

      Beijinhos!

      Eliminar
    2. Ora esta, e quem disse que Deus não quer que dependamos dEle? Alguma revelação? :)

      E desde quando é que o respeito mútuo implica a aceitação da não-dependência de Deus?

      Eliminar
    3. Porque razão me colocas essas questões se já tens as respostas?! Penso que te respondi, com outra questão... e respeito a tua perspectiva... esta é a minha e para mim o homem fala de Deus e trata Deus como sendo um boneco manipulável!

      Eu vivo a minha vida segundo os meus ideais, a verdade em que acredito e não é por isso que desrespeito Deus. Aliás... prefiro não falar! 

      Uma coisa eu aprendi e ninguém me ensinou, com todos os pontos de vista aprendemos, todos os pontos de vista são válidos... mas quando estamos seguros do nosso caminho venha quem vier, ninguém abala aquilo em que acreditamos!

      ;)

      Eliminar
    4. Deste um argumento óptimo para o ateísmo, só isso. Se não precisamos de Deus para nada, simplesmente nem sequer nos damos ao trabalho de falar dEle... daí até passarmos a acreditarmos que Ele simplesmente não existe é um pequeno passo.

      Eu sei que eu tenho a resposta, mas também queria saber qual é o teu ponto de vista. Disseste que Deus não quer que dependamos dEle e eu só quis saber como é que tu sabes disso. Just asking. :)

      Ninguém está a querer abalar-te, rapariga. É bom saber que estás firme no que acreditas, ainda que isso não concorde com o meu ponto de vista... mas, como diz o ditado, não se pode agradar a gregos e a troianos. ;)

      Eliminar
  7. Concordo contigo.
    O ego tem muitas máscaras. Mesmo quem tem uma espiritualidade grande, ás vezes, andas ás voltas com ele. Pois este consegue ser tão subtil que se torna bastante difícil identifica-lo. Eu sei bem do que falo. Mas como já aprendi, deixar de dar ouvidos ao ego é uma questão de treino.
    Gostei do texto.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ;)

      Não é um treino simples, mas consegue-se :)

      Beijinhos!

      Eliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)