sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

*A Importância do Poder Pessoal*








"I Believe I can Fly, I believe I can touch the sky" e assim é o poder pessoal ou a importância que o mesmo tem na nossa vida. Se acreditarmos, conseguimos e venha quem vier, nada nem ninguém, poderá impedir a nossa jornada, de atingir as metas que nos dispomos a alcançar. 
Muitos de nós construímos a vida de acordo com crenças, crenças essas que tantas vezes nos limitaram... limitaram a verdade daquilo que somos e do mundo que nos é envolvente. Para mim não existem coitados, existem pessoas que se acomodaram, outras que se cansaram de lutar, outras que praticamente e durante toda a vida nunca tiveram alguém que lhes mostrasse, desse uma outra perspectiva da vida, das escolhas. 
Crenças, todos nós as temos, na sua grande maioria formadas na infância, no seio familiar... acreditamos tantas vezes que se fizermos algo de determinada maneira teremos consequências negativas, não entendendo que as escolhas certas ou erradas dependem apenas de nós e jamais dos outros. 
Medo, julgamento, aprisionamento palavras tão pouco usuais no nosso vocabulário, mas tão presentes na nossa vida de uma forma camuflada.

Imaginem um Índio... o Índio preza a liberdade, igualdade, amor fraterno... mas acima de tudo é um guerreiro que luta dia após dia pelo seu lugar neste mundo. Se vocês retirarem o Índio do seu habitat e lhe disserem constantemente que ele não sabe o que faz ou o que faz está errado, a verdadeira força do Índio desvanece acabando o próprio por falecer. 
Mentalizem um elefante... porque razão o elefante não foge quando o aprisionam, sendo ele um animal de tão grande porte? O elefante não foge porque através das suas crenças pensa que está amarrado de uma maneira que o impossibilita de escapar, mesmo que seja uma corda fina. 
Agora... agora coloquem-se vocês na pele do índio, do elefante e transportem estes exemplos para as mais diversas situações das vossas vidas... o que vão encontrar? Cordas e mais cordas, correntes e mais correntes! 

Quantos de nós não têm ou tiveram "estacas"? Estacas em forma de colegas de trabalho, estacas em forma de pseudo-amizades, estacas em forma de família, estacas em forma de relacionamentos amorosos e quanto... quanto é que isso não nos diminuiu, não vos diminuiu?

Mudar crenças não é tarefa fácil, estando a sua grande maioria no inconsciente, mas ainda assim quando nos predispomos a mudá-las a nossa auto-imagem muda, as nossas habilidades são visíveis, o nosso bem-estar outrora latente é agora evidente. 

TU PODES MUDAR O TEU MUNDO e tudo se inicia quando mudas a tua maneira de falar, de entoar a tua palavra no teu mundo, na tua realidade. Tu mereces sentir amor e respeito por ti. Pouco importa aquilo que os outros fazem ou dizem, as escolhas são tuas, o momento é o teu momento, sendo o teu presente o teu momento.

Coloca o poder nas tuas mãos, interroga-te, questiona-te, vai ao fundo da questão... aqui reside a força do teu poder pessoal. Transforma crenças limitadoras em ilimitadas... em todos os momentos ou eventos da tua vida coloca-te do lado de fora da cena, não caias nos meus erros, artimanhas do passado. Identifica a crença, vive-a, sente-a, mas vai ao que já adquiriste... vê que ferramentas tens, que pessoas te podem ajudar a entrar novamente no eixo, a ultrapassar com um salto confiante o abismo da dor.

O que escrevo foi o meu caminho e, por isso, aqui estou com a confiança necessária para vos mostrar o que pode ser certo, pois para mim o foi. Mas atenção o que foi ou é certo para mim pode não ser certo para cada um de vós. Aos que amo porque amo com todo o meu coração é o que pretendo transmitir e jamais deixar que eles se tornem Índios sem chão, elefantes em prisão! Pássaro-azul, muralha da china, farol da ravina, tantos adjectivos que já me atribuíram... apenas sei, sei apenas que nada se atinge sem esforço, dedicação, trabalho, perseverança e gratidão, muita gratidão por cada dia que vivemos. Pensem nisto!

Um beijo a todos e um excelente fim-de-semana!

Alexandra







27 comentários:

  1. Poucos teriam a capacidade de com tamanha simplicidade dizer aquilo que é preciso ouvir. 

    Alexandra és a prova irrefutável de que idade não é sinónimo de maturidade ou experiência de vida. Apesar da tua "tenra" idade és uma mulher com amplo conhecimento/visão do ser humano e mundo, o que deve fazer "impressão" a muito boa gente que se julga e acha "os reis da macacada"!

    Ontem disse, hoje novamente o digo, não deixes que ofusquem a tua luz, a tua energia índigo. Tu sabes quem és, porque estás aqui e acredito que já sabes qual é a tua missão.

    A ti e ao teu Índio desejo apenas toda a luz do mundo!

    Namasté!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gustavo,

      obrigada pelo comentário e votos de um excelente Domingo de Reis!

      Eliminar
  2. Alexandra:
    Impressionante este teu post, identifico-me muito com tudo o que escreves.
    Não é fácil libertar-nos de tantas amarras que nos colocam ao longo da vida e chegar a este crescimento pessoal invejável.

    Namasté!

    Fê blue bird

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fê.

      consegui chegar a este crescimento pessoal "invejável" depois de muito caminhar, quando olho para trás sinto orgulho do meu trajecto e pujança para seguir caminho!

      beijinhos!

      Eliminar
  3. As amarras, as cordas, as correntes... em tudo tens razão, obrigada por este rasgo de luz!


    (Sem Regras)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem Regras,

      não quero que me agradeçam, desejo apenas a vossa felicidade!

      Eliminar
  4. Sim, sinto que preciso de ajuda, mas já a seis anos que sejá do que for eu não consigo
    falar e mesmo assim sou alguém muito sorridente e lutador/a, mas guardo tudo para dentro ...
    Como assim pedir ajuda? Terapia como assim?

    Não tenho nem como te agradecer as palavras, apenas te digo : OBRIGADA de coração <3

    P.S: Sabes? Tenho medo que a dor não me deixe seguir em frente ... tenho conseguido fazer tudo e mais alguma coisa ... mas porque esqueço, mas isto volta sempre ... mas tenho medo ...

    ResponderEliminar
  5. Já passou muito tempo e de ano para ano eu, sozinha, aprendi a lidar com isto e
    com outras situações da vida...não sei se um psicologo me iria ajudar com tudo, iria?
    Eu sou forte, consegui até agora, porque nao conseguirei mais?..
    E eu gostava de fazer essas actividades, mas não tenho dinheiro para tal tenho de esperar
    até ser adulta...

    Sim, eu tenho que encontrar o meu equilibrio, tens razão, eu sei, mas não o encontrei
    ainda...um dos meus pontos de equilibrio é a natureza, lá sinto-me.

    ResponderEliminar
  6. Eu vou tentar curar-me aos poucos, porque sabes? Eu sei que a perda do meu pai não é o que me machuca mais ele esta muito melhor no mundo verdadeiro do que cá, o que me magoa é não ter esse lado da mesma forma como outras pessoas têm...e não só, passar por outras fases na vida sem ter essa pessoa do meu lado...e a minha mãe proibe-me de muitas coisas por causa do passado e ainda acentua esse passado no presente, sempre, não é que não me deixe ajuda-la, pelo contrario, sempre ajudei os dois, a minha mae e o meu irmao e eu, eu preferi ajudar-me depois ... * Mas bem ... não me ouças mais, vou tentar "perceber-me" se precisar de isso que disseste eu procurarei, promessa *

    Sim, vou te ler e cá esta o que achei do que li:
    És uma pessoa super forte, encorajas os outros a VIVER, aprendi imenso ao ler este pedaço e vou ler o que ainda nao li, o que esta para trás ... que belo, que magia que tens nas veias!!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu por estas tuas palavras! Encontra o teu caminho, a tua paz e que sejas feliz durante toda a tua vida!

      beijinhos!

      Eliminar
  7. Mas há cordas de que nós próprios precisamos... Andar à deriva pode perder-nos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miú,

      tens razão necessitamos de determinadas cordas para não perder o leme da vida, mas as cordas neste texto não simbolizam isso. Simbolizam a prisão, a jaula que tantas vezes encontramos opondo o nosso crescimento interior!

      beijinhos!

      Eliminar
  8. Venho agradecer a sua visita e comentar. Já estive a ler
    o texto do seu último post e concordo com ele.Realmente
    muito depende da nossa capacidade e força de vontade.
    Temos que lutar contra muita coisa mas ter uma orientação.
    Um beijinho
    e que nos continuemos a visitar.
    Já agora o meu último blogue é
    http://sinfoniaesol.wordpress.com
    não aceita seguidores, mas aceita comentários.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo depende da nossa força de vontade, tudo!

      beijinhos!

      Eliminar
  9. Adorei o texto. Concordo plenamente com o que escreveste. Beijos

    ResponderEliminar
  10. :') Temos de ser nós a lutar por nós, a erguermos o rabo, a ir à luta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não fizeres tu por ti, contarás pelos dedos apenas aqueles que contigo ficam do principio ao fim!

      beijinhos!

      Eliminar
  11. A necessidade de quebrar as correntes de poder seguir em frente e a mais pura sensaçao de liberdade ,que poderemos fazer se muitas das vezes nos amarramos as coisas porque temos a necessidade que elas permanecam nas nossas vidas ,mas com o passar do tempo tudo se torna em tormentos nesta vida e chegara o dia que tudo quebra e torna-se imperativo para que cada um de nos possamos viver sem necessidade de amarras ,beijo amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É imperativo que a nossa essência nunca se corrompa e que nós possamos seguir o nosso caminho sem interferências!



      Beijinhos!

      Eliminar
  12. Já não lia algo assim há muito tempo. Não vejo apenas palavras, vejo uma mulher, vejo humildade, honestidade. Vejo alguém que escreve o que sente e que vive a vida segundo a lógica do coração, a lógica do racional.
    Incompreendida por muitos, disso tenho certeza, mas amada por aqueles que a conhecem verdadeiramente. 
    Nunca a vi, mas daqui consigo sentir todo o mundo que dentro dela existe. De carácter persistente não deixa que os seres que ama se percam do caminho, do caminho que eles mesmo sabem ser o correcto. 
    Uma mulher jovem que sabe estar na vida, que sabe o que quer da vida, uma leoa que defende o seu território de um mundo selvagem que não olha a meios para atingir os seus fins.
    O rosto? Será lindíssimo, mas a alma é um rasgo de luz no meio de uma intensa escuridão.
    Que dizer mais sobre ela? Tudo e mesmo assim não será suficiente, apenas sei que qualquer homem no mundo a gostaria de ter como companheira, que qualquer ser gostaria de ter pelo menos dois dedos de conversa com esta dádiva dos céus.

    Felizes estamos todos, por certo, desta criatura se chamar Alexandra! Parabéns, a ti, por tudo isto que é como água que corre nos rios. Parabéns a "ele" pela sorte e honra de ser o eleito para usufruir da tua presença.

    Quem sou? Um ser no meio dos milhões que um dia te irão ler!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário deve ser fruto da leitura quase integral do meu blogue do seu inicio, ou estarei enganada?
      Agradeço tais palavras, mas chega-me saber quem sou e se aqui estou a razão somente eu sei, não deixando de ser menos verdade o contentamento por partilhar aqui convosco pensamentos, sentimentos... enfim!

      Porque "ele" e não ele, simplesmente?

      Eliminar
    2. Alexandra,

      quem tiver sensibilidade entenderá que és um ser especial e que estás na jornada de regresso ao verdadeiro 'lar'. Li a grande maioria do que aqui tens publicado e é notório o amor que nutres pelo teu companheiro e restantes seres que amas. Arrisco dizer que a Alexandra e o seu companheiro são almas gémeas. A alma gémea é a ligação que se estabelece entre a individualidade e unidade, almas gémeas são gémeos que num plano superior eram uma só energia. Mas aqui neste plano terreno são corpos distintos que atravessaram diversas experiências extremas na dualidade encontrando-se para se expressarem e criarem uma terceira energia. Lindo não é?

      Quanto ao "ele", quantas vezes nos direccionados a Deus com a palavra ele? Será Deus um ele, uma ela, ou a força unificadora dos dois sem dualidade? Porque teimamos em permanecer na dualidade quando sabemos intrinsecamente que não somos parte da mesma?

      O que escreve pode ser um guia para muitos caminhos, muitas interpretações, mas sempre a mesma palavra: amor incondicional!

      Namasté!

      (António Branco)

      Eliminar
  13. Basicamente temos de acreditar em nós próprios e que conseguimos o que queremos. Se não formos os primeiros a fazê-lo, quem o fará por nós? É como gostarmos de alguém sem sequer conseguirmos gostar de nós próprios. Se nós não gostarmos de nós próprios, como é que podemos sequer pensar em gostar de alguém?

    ResponderEliminar
  14. Gira em torno daquele slogan publicitário... Se eu não gostar de mim... Gira porque se nós não quisermos lutar por nós não são os outros que o vão fazer, ou melhor, até podem querer ajudar mas não vão conseguir.

    Não se consegue ajudar quem não quer ser ajudado.

    Beijinho Alexandra

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)