sábado, 12 de janeiro de 2013

*Sois o que sois, não aquilo que pareceis ser*






"O capitalismo de hoje é bem mais teneboroso. Os jogos financeiros contemporâneos são tão abstractos e auto-referenciais que trocando a coisa por miúdos mais não são do que comprar e vender dinheiro, como fazia a Dona Branca." Por João Magueijo

O capitalismo de hoje alimenta toda uma cadeia alimentar que apenas se preocupa com cifrões e não vê nada além disso. Consumismo é o que temos, consumismo exacerbado que chega a assustar os pêlos dos burros que outrora serviam para trabalhos agrícolas e agora até que são uma espécie que dá dinheiro... acabando as ajudas é vê-los passear pelas estradas, tal como, os javalis e veados que por esta zona têm provocado acidentes.

Apetece-me questionar tantas vezes a merda de sociedade portuguesa em que vivemos, sim merda, que não passa disso mesmo de uma valente merda em que muitos se fazem daquilo que não são. Eu conheci um Portugal menos julgador do que é hoje, onde se olhava menos para a camisa ou par de sapatos que cada um usava. Vivemos onde? Quer me parecer que na "puta" de uma república das bananas, onde cada um faz aquilo que bem lhe apetece e por isso não é sancionado.


As gerações de hoje são protótipos formatados pela moda, sem ideias próprias, tudo tem de vestir igual, falar igual, ter e ser igual... todos têm de ir para a discoteca, fumar e beber até cair para o lado e quem não vai é careta. Isto é outra forma de capitalismo, o capitalismo do putedo senhor Alfredo. Lamento, como mulher tenho momentos em que me sinto mal por ver o estado de degradação a que o sexo feminino chegou. Lamento, uma vez mais o digo, lamento ter de dizer que as mulheres de hoje mais parecem homens com comportamentos e atitudes que as desvaloriza, que as humilha... mas elas acham muito engraçado. São grandes mulheres porque bebem que nem cavalos, porque se vestem que nem pêgas... pois, mas depois na pratica, nem para educar filhos tem capacidade. Muitas servem apenas para que "eles" lhe dêem umas "berlaitadas" e siga caminho, outras para infernizar vidas alheias julgando-se muito espertas e outras ainda nem elas sabem para que servem.

Capitalismo é o ridículo, a falta de valor que alberga toda esta gente fútil que não tem ponta por onde se lhe pegue. Capitalismo é a leviandade, o egocentrismo, o desprendimento pelo verdadeiro relacionamento humano. A falta de cultura, de estrutura para arcar com as consequências de escolhas nem sempre correctas. Uma sociedade que se prostituiu ao fácil, onde homens e mulheres invertem papéis é uma sociedade falida. É algo que não tem abertura para sentir, viver a ternura que cada dia pode transmitir. Nasce-se, vive-se, trabalha-se e morre-se... mas por incrível que pareça nem se vive, porque a vida é vivida a arquitectar planos para ser mais que fulano, ou lixar beltrano.
  Dias há em que a vontade é tremenda de dizer tudo aquilo que deve ser dito, pouco interessando se levam a bem ou mal. Esta gente nunca se diz contente, nunca se diz feliz, mas como podem o ser se nem ao pouco que têm conseguem dar valor? E não, não falo de merdas de bens materiais, falo de pessoas, de sentimentos, de compromissos. Onde ficou tudo isso neste capitalismo de barbies e kens? De marionetas que vão e dançam ao sabor do vento sem saber bem o porquê. Gosto, adoro pessoas com ideias próprias, que não sorriem ao fácil, arregaçam mangas ao difícil e remam contra marés, contra tudo e contra todos. Pessoas que não se deixam ludibriar, que dizem não, que cagam para o pessimismo e dizem adeus de vez a tudo o que está a mais.

Desejo a todos um excelente fim-de-semana!





Alexandra Martinho


14 comentários:

  1. Uma outra forma de ver o capitalismo, arrisco dizer que aquilo que enumeras é mesmo o podre do capitalismo.
    Disseste a verdade e quem não gosta azar, aliás seres como tu são sempre incómodos para esta sociedade de parasitas. Tu sabes do que falo, esses olhos devem ser faróis, lupas que descobrem facilmente tudo o que é sujidade!


    Beijinho e bom fim-de-semana, Alexandra!

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, um dos mais lúcidos posts que yenho lodo na blogosfera!

    Talvez seja suspeita, porque poderia assinar por baixo o texto, mas acho que a ctual sociedade está de cabeça perdida e que quem deveria dar o exemplo os dá no pior sentido.

    Um bom fim de semana , também.

    ResponderEliminar
  3. Já há algum tempo que escrevi que as mulheres são seres superiores mas que por alguma razão ainda pouco definida estão a igualar-se por baixo em relação aos homens. Cuidado mulheres, vocês são fundamentais no papel da evolução humana.

    Beijinhos e bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  4. Não é tanto o capitalismo, é a desonestidade, a incompetência em gerir dinheiros públicos...! E assim, chegámos ao que chegámos.
    Prazer em conhecer o seu blog.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Ideias próprias?
    Remar contra a maré?
    É mais fácil culpar os outros...e seguir a onda!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  6. Amiga eu penso ter compreendido bem este texto. A minha vida
    tem-me provado que a amiga tem razão. O consumismo, o achar-se mais importante porque se tirou um curso numa Universidade
    e querem logo o título de drº./ª. Ou porque se arranja uma
    amiga que tem casa com piscina, já não interessa a amiga que
    até podia ter de há muitos anos, mas não tem uma piscina para
    pôr à disposição...enfim, os valores ficaram no lixo...
    Bom fim de semana.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  7. Acho que acabamos por ser todos fantoches nas mãos do capitalismo e do dinheiro.

    ResponderEliminar
  8. Eu, como índigo que sou, nunca gostei de seguir a manada.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Manter a dignidade, lutar contra a maré, fazer escolhas. Sou mulher mas não ando ao sabor da moda ou do que os outros querem. Tudo o que faço, faço-o por mim por vontade própria. Erro e assumo os erros, caio, levanto-me e sigo caminho até à nova queda.

    Beijinho grande.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. O capitalismo apenas gera consumismo ,consumismo gera disigualdades ,desigualdades geram escravidao ,escravidao gera miseria ,miseria gera luta pelo bocado que resta deste mundo governado por parasitas que apenas olham ao lucro ,que nao olham a meios para o conseguirem .Beijos Alexandra

    ResponderEliminar
  11. $$$$$$ é bom, eu gosto de $$$$$$


    Reviralho

    ResponderEliminar
  12. O problema do capitalismo é a desonestidade que o reveste.

    Eu gostava de viver sem dinheiro, mas isso seria possível?

    O dinheiro não é o vil metal, o vil metal é sobretudo o que as pessoas têm na cabeça ou ausência do que deveriam ter.

    Quanto às mulheres? Sabes o que aprecio em bares quando saio para beber um copo com os meus amigos e nos sentamos na mesa do canto distantes mas observadores dos adolescentes dos universitários? Miúdas produzidas como pêgas a insinuarem-se à força toda para cima dos rapazes e estes longe delas ignorando-as completamente. Acho que isso é revelador do que se vai passando hoje em dia por aí... Eles têm medo ou sei lá o quê delas, e fico triste enquanto mulher, porque isso é desvalorizar-se demasiado. Mas pronto, é só a minha opinião :)

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)