sexta-feira, 29 de março de 2013

*Tempo de Páscoa*








Que se abram os portões dourados... celebra com este doce vinho a tua caminhada , alimenta-te com o pão que dá a vida e nunca esqueças que a tua passagem ainda agora começou.

Todos os dias são tempo, tempo de ter tempo para ti, para ti e para aquele ou aquela que ao teu lado está sem nada te perguntar, somente está para te amar. Porque razão, porque razão afinal tempo não tens para ouvir a voz do teu silêncio? O que te perturba? O que te consome? De onde vem todo esse medo? Um medo que cega, que não deixa simplesmente sentir, sentir aquilo que és para não ouvir as palavras de outro alguém.
Pergunto-te, pergunta-te para que serve afinal a vida? Para que serve a tua vida?
Nestes tempos em que olhas em redor ninguém tem tempo, há pressa em demasia, demagogia exacerbada e um profundo vazio de estar só, somente só!

A família que não é família, os pais que não o sabem ser, os filhos que querem ser pais, as crianças que teimam em ser adultas, os jovens que perdidos estão em alto mar... os homens, os homens que se querem sensíveis como mulheres, as mulheres que se querem mulheres e não o são... os papéis, onde estão os papéis? Quem és tu? Quem sou eu? Quem somos nós?

Toda esta insistência de ser e não ser, de ter e não ter, de fazer por fazer, de dizer por dizer, levou um pedaço de nós a uma narrativa sem narrador, onde ninguém tem voz, onde ninguém tem cor. E é isso, é isso que vês sempre que sais por essa porta... rostos sem cor!

Podes dizer ou escrever, o amor... onde fica o amor? Bem, será que sabes definir o amor? Provavelmente não! Certo é que o amor não tem definição, mas ao contrário do que tanto por aí se diz o amor, aquele que é romântico, não existe somente na literatura. Existe neste plano e só não o usas, vives e sentes com quem amas porque tens na mania que tudo te é garantido. Porque julgas que conheces o outro como a palma da tua mão e como tal, nada mais precisas fazer... ledo engano! Enganaste todos os dias que desconheces o que julgas conhecer, enganaste quando pensas que já sabes o que sabes e nada mais há para ouvir... enganaste pelo simples facto de te enganares todos os dias quando sobre teus sentimentos não queres ouvir a sensação de chorar e lentamente vais-te perdendo! Amor é como a farinha branca-de-neve, necessita de outros ingredientes para um bolo originar repleto de bom paladar.

É Páscoa, é dia, é hora de ter tempo e usar esse mesmo tempo para teres somente o teu momento. Não percas tempo no mesmo tempo, naqueles momentos que nunca te deram alento, eles apenas te fazem sofrer e entrar no jogo do não ser! Sê o observatório da tua vida e nunca deixes a estrela que amas cair!


Uma excelente Páscoa a todos e paz nesses corações!


Alexandra Martinho





7 comentários:

  1. A história contada pelas crianças é sempre uma bonita história.

    Feliz Páscoa Alexandra

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Para ti também, Amiga.
    E para os que amas, dose igual.

    Obrigado.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Também partilhei este maravilhoso vídeo.

    Feliz Páscoa para ti e para os teus amiga Alexandra.

    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Uma Santa Pascoa tambem para ti e para todos aqueles que mais amas ,muitos beijinhos

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)