quinta-feira, 11 de abril de 2013

*A Caixa*






Numa caixa vives toda a tua vida, no interior de uma caixa frágil e bem ornamentada desapareces fisicamente deste mundo.
Não voas, não sonhas e mal respiras... esqueces o tempo, esqueces ou fazes por esquecer, o momento em que estavas perto de tudo perder... não voas, não sonhas e mal respiras.
O que esperas, o que esperamos? Na caixa continuas, dela não sais, tens medo... afinal foste ensinado para desse modo viver, dentro de uma caixa. 

Mulher ou homem, homem ou mulher o que esperas?

Chorar? Inibes o choro por medo do que possam pensar, não expressas os teus sentimentos porque isso é fraqueza, perda de tempo... de um tempo que afinal nunca tiveste e quando olhas para trás... é tarde.
Vives na alegoria de uma realidade fantasmagórica com a esperança de que tudo um dia passe... acredita, somente passará quando tu tomares definitivamente as rédeas da tua vida e deixares os queixumes nas gavetas do comodismo...

Liberta-te, antes que sejas tu mesmo a tua própria caixa!


Continuação de uma boa semana a todos!


Alexandra Martinho




11 comentários:

  1. Eu não quero ficar presa na minha caixa :) Quero ser livre! Adorei :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Viver fora da caixa é muito melhor! Divino texto, abraços

    ResponderEliminar
  3. A maior parte dos seres humanos vivem dentro de uma caixa criada pelos próprios e não tem consciência disso. Infelizmente. Depois existem aqueles que sabem que vivem dentro dessa mesma caixa, mas por medo não ousam sair dela e são infelizes toda a vida.
    Temos todos de ousar viver.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá boa tarde :)

    Lindo texto.

    Existem seres humanos que preferem viver dentro da caixa que ergueram. Meros espectadores que, assistem a um teatro sem nenhuma reação, impávidos e serenos!

    Beijinhos - gostei teu cantinho.
    Susana

    Como menciona autor: “ ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar dos desafios, perdas e frustrações, ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da sua própria história” Augusto Cury.

    ResponderEliminar
  5. Olá Alexandra
    Gostei da reflexão. Geralmente, nós é que construímos a nossa própria caixa e nos encerramos nela.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Adoro tudo o que escreves , mas este teu texto superou tudo! Soberbo, intenso e muito verdadeiro
    O vídeo guardei pois achei o máximo também.

    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Um lindo momento de reflexao ,que cada um de nos seja livre como um passaro ,nem sempre e facil porque muitas vezes dependemos da nossa coragem ,momentos de fragilidade todos teremos ,porque a vida nem sempre e como a sonhamos ,por mais fortes que sejamos sempre havera um dia que nos vergamos a ela ,o importante e termos a consciencia que tudo depende de nos .Eu falo por mim ,ja lutei ,ja desisti ,ja tive tudo ,ja perdi tudo,ja amei ,ja odiei ,mas sempre recomecei de novo ,hoje olho para tras e vejo a vida foi madrasta comigo ,mas ao mesmo tempo ganhei deu-me a força de vontade de seguir em frente ,porque por mais dificil que tenha sido ,sempre havera alguem neste mundo bem pior que eu .Muitos beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  8. Um beijinho meu a todos vós que param por este meu espaço! :)

    ResponderEliminar
  9. Esta é, infelizmente uma grande verdade "não expressas os teus sentimentos porque isso é fraqueza". É urgente mudar mentalidades e posturas.

    Beijinho, Alexandra, por essa tranquilidade que passa para o lado de cá.

    ResponderEliminar
  10. E quando o que tu vês dentro da caixa é só o invólucro?
    Uma marioneta com os fios emaranhados, torcida, encostada a um canto.
    "não voas, não sonhas e mal respiras."
    Isso é o que os outros "vêem".
    A verdadeira essência está lá no alto, a tentar tocar as estrelas ou pelo menos a lua. Voa, Sonha, respira e por isso tem ainda esperança.
    O que os outros vêem?
    "não voas, não sonhas e mal respiras."
    Mas ainda não desistiu.

    Abraço grande

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)