sábado, 6 de abril de 2013

*Como uma águia*









Vives assolapado, indignificado, com aspirações frustradas no interior do sistema que te capa, que retira a tua vontade de sonhar.
Tu, homem ou mulher, como tantos outros antes de ti esqueceram que a vida é um ano lectivo dividido em várias disciplinas, cada uma delas com sua lição. Esqueceste ou queres esquecer que estás aqui para aprender sendo este planeta a tua verdadeira escola, pouco interessa se a tua casa é humilde ou luxuosa, o que realmente importa são as tuas acções, as mesmas que têm conduzido os nossos destinos por estes registos dramáticos.

Registos dramáticos e outros tais que te levam para bem longe do caminho da renovação. Digo-te que todos querem ser águias, reis e rainhas dos céus, mas muito poucos sabem voar seguros de si. Porquê? Conto-te este segredo: as águias não comem "coisas mortas", as águias alimentam-se de matéria viva, utilizando os olhos para chegar ao que pretendem. E tu? Tu cuidas dos teus olhos? Cuidas daquilo que comes pelos olhos, pelos ouvidos? Cuidas da alimentação com que alimentas a tua mente? Seleccionas quem queres que faça parte da tua vida?

Olhos e ouvidos são os celestiais portais da tua alma e embora não tenhas o controlo de tudo aquilo que se passa ao teu redor, podes sempre seleccionar o que queres ver, ouvir, com quem queres conviver. Não tens, não podes, nem deves ser a lixeira dos outros! Olha à tua volta e perceberás que grande parte daquilo que te rodeia é "comida morta", "comida morta" que te afasta de ti mesmo, que te amarra cada vez mais ao sitio onde tu sabes não ser o correcto para ficar. Se ingeres lixo, emanas lixo... é simples!

Responde a estas questões:

Ouves e respeitas os alarmes que soam dentro de ti, sempre que te preparas para fazer algo que sabes ser errado?

Entendes a razão pela qual a tua vida deixa de prosperar?

És selectivo com aquilo que os teus olhem vêem, com o que os teus ouvidos ouvem?

Os teus círculos sociais são constituídos por pessoas prósperas, ou na grande maioria por realidades problemáticas?

Darás a devida atenção a quem amas? Não será que exiges demais e dás de menos a eles, eles que estão incondicionalmente contigo?

Queres ser uma galinha, um abutre e alimentar-te de comida morta toda a vida?


Estas são apenas algumas das muitas questões que ao longo da nossa vida devíamos fazer para que não nos tornássemos presas de predadores de almas. Se não és igual aos outros, porque raio tens de fazer aquilo que eles fazem?

Tu, tu és e deves ser uma águia majestosa... a verdadeira vigia para alcançares o bem-estar na tua vida!

Um bom fim-de-semana a todos!


Alexandra Martinho





8 comentários:

  1. Texto muito bem elaborado, Alexandra.

    A imagem e as palavras nela inseridas são de uma sensibilidade só ao alcance de quem a tem.
    E tu tens.

    Bom fim de semana.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. E somos águias não tenho dúvidas! abraços

    ResponderEliminar
  3. Um lindo texto ,um momento para cada um de nos refletir ,e por em pratica ,muitos beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  4. Viver é uma constante aprendizagem,já aprendi muito e no entanto sei tão pouco... Mas aprender depende sempre de tomarmos nas nossas mãos as rédeas da vida, e voar alto de mente bem aberta.

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  5. Olá Alexandra,
    Eu já voei...lembras-te?

    E agora parti, noutra estrada, deixando o que está morto para trás.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Precisamos de aprender a olhar para o céu e nao para o chao..

    Gostei muito.

    beijinho amigo

    ResponderEliminar
  7. "nem deves ser a lixeira dos outros". Nem mais!

    Texto que nos faz pensar. Gostei.

    Beijinho, Alexandra. E espero que esteja melhor.

    ResponderEliminar
  8. "Se ingeres lixo, emanas lixo... é simples." - Nada mais simples e ao mesmo tempo uma enorme lição de vida.
    Os abutres fazem parte do dia-a-dia das nossas vidas. Compete-nos a nós separar o lixo da pureza do que diariamente "comemos" com os nossos ouvidos/vista.
    Grato pelas suas palavras de incentivo a uma vivência de honestidade no nosso breve atravessar por esta vida terrena.

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)