quinta-feira, 2 de maio de 2013

*Até um dia avô*








A vida é leve como uma pena e a morte é o acontecimento mais certo por onde todos nós passaremos um dia. Passo por uma dor imensa, algo que não tem explicação, é como se estivesse em outra dimensão ou num filme de terror que não tem fim.
O meu avô, o meu querido avô partiu na madrugada de terça-feira de uma forma inesperada sem tempo para despedidas, beijos ou abraços. 
Não consigo esquecer a imagem dele estendido no chão, já sem vida, com a minha avó a chorar enquanto chamava por ele tentando-o virar... perdi as forças, perdi o meu chão, perdi um dos, senão mesmo, o maior pilar da minha vida... não terei mais os conselhos, nem as palavras sensatas que entravam nos meus ouvidos sempre na altura certa.

Vivias mesmo ali ao lado e ao teu lado sempre vivi, era para ti e para a avó que corria sempre que não estava bem, era na vossa casa que comia os bolitos do costume e tu como sempre rias quando me vias correr para a cozinha.
Não esqueço, nunca esquecerei as vezes que foste comigo para Aveiro, enquanto tirei o mestrado, só para não regressar sozinha à noite. Tantas e tantas vezes na escola primária tiveste à minha espera para me levar para casa e o mesmo fizeste durante tantos anos, até mesmo quando já frequentava o liceu (ensino secundário). Não importa, não interessa quantas vezes me chamaram menina do avozinho porque, a verdade, é apenas uma: tu és o meu avô, o meu pai. Pedem-me para seguir em frente, que é a vida... eu sei disso, mas só eu sei, só eu sinto o vazio em que me encontro.

Tanto podia dizer sobre ti, mas faltam-me as palavras, falta-me tudo... faltas-me tu, avô! 


Estou cansada e com a alma mergulhada numa profunda tristeza... 


Alexandra Martinho

15 comentários:

  1. Querida Amiga
    Podia eu escrever muita coisa, sem dizer nada.
    Não quero correr esse risco. Nem tu mereces.

    Lamento profundamente a partida do teu avô.
    Conheço o sabor desse tipo de perda.

    Desejo que ele descanse em paz.

    E tu, Amiga, sorri. Certamente que ele gostaria que o fizesses.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Muito pouco te posso dizer...a saudade aumenta com o tempo, mas vai doendo de outra forma. Perdi um pai, com essas e outras características, mas sinto-o mais perto que nunca. Acredita, ele vive em ti. Abraço e beijo.

    ResponderEliminar
  3. Um beijinho Alexandra

    Um bonito gesto este, uma bonita homenagem.

    ResponderEliminar
  4. Mesmo as pessoas mais evoluídas sentem a dor da perda. É um vazio inquietante que nem vale a pena imaginar. Agora deves aproveitar para viver a vida consoante a herança cultural do teu avô e dizeres sempre o que sentes! Beijinho grande e coragem!

    ResponderEliminar
  5. Os meus sentimentos estão contigo Alexandra.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

  6. Alexandra, não chores! Sorri antes que, onde ele está, quer ver-te a fazê-lo e a recordar, com alegria, a vida que ambos viveram. Sorri, porque ao fazê-lo estarás a dar-lhe Luz.

    Beijinho grande e a sentir a tua dor.

    Laura

    ResponderEliminar
  7. Minha querida, nem sei o que te dizer...

    Pensa que ele sempre estará presente no teu coração e que só morremos quando somos esquecidos.

    Um abraço amigo e sentido.



    ResponderEliminar
  8. Ohhhh :( Alexandra lamento tanto que estejas a passar por essa dor, a sentir esse vazio...
    Não te vou dizer que vai passar, porque sei que não passa, mas que essa dor vai se tornar numa outra dor bem mais suportável.

    Tu sabes o que tens que fazer.
    Muita força, bjnhs e um abraço bem apertado -.-

    ResponderEliminar
  9. Os meus sentimentos. Beijinhos e muita força

    ResponderEliminar
  10. Alexandra, aceitas um abraço muito grande? Só isso.

    ResponderEliminar
  11. Querida Alexandra,
    É a lei da vida... que não conseguimos - nem conseguiremos jamais - aceitar. Neste caso, deve estar a ser particularmente para ti por não estares a contar. My heart goes out to you, como dizem os Brits. Eu já perdi mãe e pai - e dos avós quase não me lembro, pelo que sei bem do que falo quando falo de perda e ausência.
    Um beijo grande para ti, Alexandra, e coragem! O teu avô viverá para sempre no teu coração.

    ResponderEliminar
  12. Querida amiga e com um pesar profundo que estou escrevendo estas palavras ,infelizmente também esta mesma terça-feira foi negra para mim com o falecimento da minha prima com apenas 12 anos que lutou ate ao ultimo dia contra o maldito cancro ,apenas uma menina frágil que a leucemia cruelmente ceifou a vida.Sei que esta vida e uma simples passagem ,mas sera que seria preciso sofrer tanto nesta vida ,os meus sinceros sentimentos Alexandra,muita força beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Alexandra,

    É só para deixar outro abraço.

    ResponderEliminar
  14. Os meus sentimentos Alexandra. Um beijo e um abraço apertado!

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)