terça-feira, 4 de junho de 2013

'Se o velho persistir o novo nunca Virá'








O homem tem medo da mudança, todos têm medo da mudança e por muito que a vida não corra de feição preferem manter-se num patamar que conhecem a aceitar uma transição necessária. 
É preciso mudar e esta mudança todos nós a sentimos de uma maneira ou de outra, no trabalho que não satisfaz, na antiga maneira de encarar o dia-a-dia, nas relações sociais e pessoais que nada acrescentam à nossa integridade emocional.

Devíamos "morrer" e aceitar essa morte como um ciclo que se fecha e outro que se inicia. Todo este cansaço que nos assiste não é de agora, é de sempre, mas apesar de todo o sempre ainda não conseguimos abrir mão daquilo que está a mais, que não é nosso. Não ver o mundo interno que existe em cada um de nós é a pior das cegueiras, porque o exterior é apenas o reflexo do que somos. 
Se sentes amor, espelhas amor... se tens caos dentro de ti, espelhas o caos... ainda não percebeste isto?

Esta manhã fui confrontada com uma situação, que apesar de todo o respeito que nutro pela pessoa em causa, faz-me impressão como a mesma se deixa prejudicar a todos os níveis só para evitar confrontos e dores de cabeça. É o nítido exemplo da regra "prefiro andar cheio de merda até ao pescoço, do que aceitar que preciso mudar e com isso tomar as rédeas da minha vida!".

Todos desempenhámos em algum momento da vida papéis de vitima, mas ficámos por lá? Ou seguimos em frente mais fortes e preparados? Até que ponto temos consciência da responsabilidade por aquilo que nos acontece? Não será altura de pensar e repensar sobre o que pode continuar e deve ser eliminado para que o nosso crescimento se dê?

O ser humano não foi criado para viver isolado, sozinho, é um ser social que deve ter cuidado na escolha das suas amizades, que deve cuidar meticulosamente dos laços afectivos que construiu ao longo da vida.

Apesar de ser uma comunicadora nata e de não ser anti-social, tenho poucos amigos... porquê? Sou selectiva e tenho critérios de selecção, além do mais consigo perceber quem é quem com algumas trocas de palavras e, lá está, a vida ensinou-me como o deveria fazer.
Não me arrependo do que digo ou faço, mas sei que tanta vez poderia moderar o meu vocabulário, afinal todos são livres de escolher o seu próprio caminho. Mas faz-me confusão, faz-me muita confusão como pessoas que podiam ser tudo e ter tudo desta vida se relacionam com pessoas que são um problema, que não são o melhor exemplo do que é ser ou estar em sociedade, que vestem a pele de cordeiros coitadinhos que foram bafejados pelo azar... e assim conseguem viver toda uma vida!

A amizade é aceitar o outro como ele é, é estar presente na vida do outro nos bons e maus momentos... mas quer-me parecer que aceitam qualquer tralha como amigo e depois queixam-se que aconteceu isto ou soube-se aquilo.
Mudem, reformem a vossa vida e entendam que a civilização tal como a conhecemos está a ruir, com ela muitos desaparecerão e outros tantos viverão segundo as regras da nova consciência. Nós não sabemos nada de coisa alguma sendo, por isso, necessário ouvir de coração aberto aqueles que nos querem bem mesmo que isso nos toque ferida.

Sempre disse, digo e voltarei a dizer é nosso dever e responsabilidade guiar aqueles que amamos para o seu verdadeiro caminho, por muito que nos incitem a ser individualistas ou até mesmo a preservar a ideia do "deixa andar", devemos contrariar a tendência. 


Termino assim: "Não ajuntem tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem corrompem, e onde os ladrões minam e furtam; mas ajunteis tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem corrompem, e onde os ladrões não minam nem furtam. Porque onde está o seu tesouro, ali estará o seu coração" (Mat. 6:19-21)"


Continuação de uma boa semana!

Alexandra






11 comentários:



  1. Francamente, Alexandra gosto do teu texto!

    Dás uns abanões valentes com ele!

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um beijinho grande, Laura! A minha função é essa mesmo, dar abanões! ;)

      Eliminar
  2. As mudanças nunca são fáceis, Alexandra.


    E a amizade é realmente, entre outras coisas, aceitar o outro tal como ele é....não guiar Alexandra:

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá JP,

      somente por dizer que mudanças não são fáceis é um mau principio para que a própria mudança se dê!

      A amizade não é guiar? O amor também não? Depende da definição que cada um atribui ao verbo guiar que em nada se parece com controlar! Guiar desdobra-se em várias formas como, por exemplo, dizer aquilo que o outro tem de ouvir e não o que gostaria de ouvir... mas isso teríamos panos para mangas!

      Nunca ouviste dizer que quem muito pensa na morte da bezerra de si próprio não tem certezas? ;)

      Beijinhos!

      Eliminar
  3. Um lindo momento ,primeiro que tudo obrigado pela partilha e da tua amizade ,segundo nos todos somos diferentes e são essas diferenças que nos distinguem dos outros ,terceiro que cada um de nos saiba acima de tudo respeitar os outros como a nos mesmos,por ultimo uma linda meditação ,o ser humano consegue se corromper com os valores matérias fruto de uma sociedade hipócrita onde tudo gira em contradição com os próprios valores morais .Beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  4. "Juntos seremos mais fortes", é bem certo o provérbio... :)
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  5. Amiga Alexandra, decerto vais tocar na ferida de muita gente com este teu jeito de ser.
    Não é fácil ser assim, franca directa,compreendo-te muito bem.
    Continua a lutar pelo que acreditas!

    Beijinho


    ResponderEliminar
  6. Tens razão, tens toda a razão. :)
    As mudanças são sempre difíceis, mesmo quando são para o nosso bem. Mas são absolutamente necessárias.
    Vim retribuir a visita e encontrei logo uma boa lição de vida. Gostei. :)
    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Assumo que é difícil mudar seja o que for, também assumo que a mulher tem mais coragem que o homem para tomar atitudes de mudança.

    ag

    ResponderEliminar
  8. Olá Alexandra,
    Nada tenho a acrescentar a este seu texto, vou penas destacar esta parte: "Nós não sabemos nada de coisa alguma... " , em cada dia que passa, tenho cada vez mais consciência disso. Aprendemos a não nos deixar afundar por causa de terceiros, mas continuamos a não saber grande coisa, sobre muitas coisas.

    Beijinho e boa semana, ou o que resta dela.

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)