quarta-feira, 10 de julho de 2013

'Desejamos que tudo seja Diferente'





A vida é uma arte, uma ciência em que a sua essência está na relação intima destas duas características que a definem. Participei em vários duetos musicais, pus à prova a minha capacidade de sintonização com o outro e reconheço que várias foram as vezes em que não entrei no timing certo, provocando dissonâncias que hoje reconheço que agitaram a composição musical do dueto. Não só de teorias vivemos, mas de prática, muita prática. Uma boa música, um bom dueto não vive somente da letra escrita no papel, mas do poder da interpretação da própria música, como a mesma assenta na voz.

Sei que fui e continuarei a ser tantas vezes incompreendida, que as minhas interpretações nem sempre serão perfeitas. Mas arrependimentos? Arrependimentos não tenho! Admito que falhei em algum momento na colocação de voz e sei que ao longo deste trecho de vida tenho estado ao lado daqueles que amo e que me amam com a profunda consideração e disposição de os compreender.

Tantas são as vezes em que algo se apodera de nós, comportamentos repetitivos, muitos inconscientes, que se não forem devidamente detectados e interrompidos dilaceram aquilo que construímos na linha do tempo com tanta dedicação e entusiasmo.
Parece impossível como um indivíduo é capaz de agir da maneira que o faz sofrer. Já agora acham que preciso ser profissional para observar situações como estas? Olhemos à nossa volta, não estamos rodeados de bombas auto-destruidoras? Basta ler jornais, ver televisão, mais e mais do mesmo. A vida está infernizada, envenenada pela convulsão das repetições que destroem qualquer forma de felicidade. Passamos toda uma vida mergulhados em concepções equivocas sobre nós e aquilo que nos rodeia e quando tudo isso é posto em causa pela própria dinâmica da nossa existência, surge um medo profundo de mudar, de dar um passo em frente.
Desamparo, medo, desespero porque tantas foram as vezes que ninguém esteve presente para os defender, elucidar sobre aquilo que seria o correcto, sensato. Submeteram-se a um número reduzido de escolhas que retiraram a capacidade de sonhar, de que é possível alcançar objectivos claros e benéficos para a alma. O reconhecer de traumas, erros e que repetimos os mesmos erros vezes sem conta é sempre um episódio amargo, doloroso porque entramos em contacto directo com a dor, com o sofrimento. Ninguém é o que é só porque sim, todos guardam uma história, uma razão. Devemos ajudar a nossa criança interior a ser um adulto livre, com consciência, com controlo sobre a própria vida.

Encorajar o outro a ouvir aquilo que disse, da forma que disse constitui um passo significativo para revelar novos sentimentos, trilhar novos caminhos para a auto-realização.

Sim, tenho compaixão, como medo, e fico triste nunca negando porém, a magia da felicidade da descoberta... quando partilhamos temos nas nossas mãos a possibilidade de renovar, inovar.

Tenho vivido valiosas lições de humildade, admiração e respeito por quem sofre... também eu já estive nessa cadeira, também eu já cantei essa música e com música curei-me. Com a fala curei as minhas mágoas e ressentimentos. É impossível de conhecer o outro totalmente, mas é de agradecer aos céus quando quem nos rodeia generosamente abre a alma para nós. Poucos o conseguem fazer, poucos entendem essa generosidade. Para compreender o outro é preciso despir a própria pele, tocar na carne que não nos pertence e ouvir o pulsar do coração. Acredito na construção continua e dedicada da vida, como acredito no potencial de quem me rodeia. Sendo meu dever no calor do carinho trazer esse potencial ao cimo eliminando ervas daninhas.
Cuidem-se é o que vos peço!


Alexandra Martinho




9 comentários:

  1. O estado de negação é perigoso :)

    ResponderEliminar
  2. Pior cego é o que não quer ver, só mudamos alguma coisa quando percebemos finalmente que vamos ter que mudar.

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Olá! Sinto no seu texto todo um período de crescimento e valorização de si mesma! A compaixão, sendo ação, já é um grande passo! abração

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso texto Alexandra!! Gostei imenso de ler o que escreveste na tua postagem. Desejo-te tudo de bom. Por vezes somos mesmo incompreendidos mas o que interessa é aquilo que nós pensamos. Beijinhos fofinhos!! http://mafaldinhaarte.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Na vida tudo tem o seu tempo, percorremos muitas vezes a vida com incertezas onde os resultados nem sempre serão aqueles que queríamos ,falhamos ,ganhamos ,tentamos fazer a diferença dos demais ,mas todos temos uma coisa em comum ,somos meros mortais ,imperfeitos por nascença ,mas sonhadores de um amanha melhor.Muitos beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  6. Tão lúcido como sempre :)
    Agora estou por aqui: http://hellostrangerhellosunshine.blogspot.pt
    Beijinho da F. hihi

    ResponderEliminar
  7. Olá Alexandra,

    Vou destacar este bocadinho de texto: "erros e que repetimos os mesmos erros vezes sem conta", tenho para mim que só repetimos os mesmo erros em duas situações
    1. Quando não paramos 5 minutos para reflectir, para fazer um balanço do nosso dia-a-dia. Aquela pressa de viver sem parar para respirar. Quando não respiramos de todo, ou respiramos mal, a vida pode pregar-nos partidas menos agradáveis.
    2. Ter arrogância de pensar que somos tão bons que não cometemos erros, portanto a coisa que repetes-se vezes sem conta.

    No dia em os tais erros não voltam a repetir-se é sinal que aprendemos algo, aí a vida dá um salto para a frente.

    Teorias...

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  8. Amiga Alexandra:

    Compreendo bem o que queres transmitir com esta tua mensagem.
    Compreendo porque em teoria sei que estás certa, mas na prática fica difícil seguir o rumo certo quando tudo à nossa volta se desmorona.
    Ver o sofrimento de um filho que não consegue realizar-se profissionalmente e a quem não lhe é dada oportunidade de mostrar o seu valor, tira-nos completamente o chão debaixo dos pés.
    Também tento cantar-lhe a mais bela melodia, mas a voz já me fraqueza.

    Obrigada no entanto por me recordares tanta coisa já esquecida dentro de mim.

    beijinho



    ResponderEliminar
  9. ainda bem, eu gosto de receber, mas gosto muito mais de dar:) beijinho grande e bom fim de semana!!!

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)