domingo, 7 de julho de 2013

'Onde estás menino?'






Vivemos num mundo em perfeito desequilíbrio, onde constantemente os papéis se confundem, onde tantas vezes o que parece ser certo é errado e tu, no meio de tudo isto, onde estás menino?
que fez a vida contigo afinal? Que castigo foi esse que mergulhou teus olhos em lágrimas? Pergunto-me, pergunto-te: onde estás menino?

Num retrato vislumbro o essencial da pureza e com certeza digo que foste criado para neste mundo a diferença marcar de ser diferente. Mas... algo se perdeu, algo aconteceu naquele que é nada mais, nada menos que o teu glorioso caminho. 
Tantas caras, tantos vultos que tábuas do teu humilde barco foram retirando para seu próprio rejubilamento, pois afinal, todas elas pensavam que em breve irias naufragar. Despertaram o pior que há em ti, aquele lado mais sombrio, aquela esponja que absorve comportamentos, palavras e pensamentos que não são inteiramente teus, menino! Estiveste no lado de lá do verdadeiro sentido da vida, comeste o pão que o diabo amassou e nunca alguém disse: "agarra a minha mão, vem comigo!". O Teu coração corrompido sangrava perdido e os abutres esperavam pela carnificina, abutres... essa espécie que ainda te assola por entre sorrisos falseados ou argumentos falaciosos.

Com apenas um remo à terra regressaste, Deus pediu que ouvisses a palavra e das sombras surgiu um raio de luz que não era apenas miragem, tinha forma de gente. 
Pediu que erguesses a tua vontade, o sentido de viver, falou-te ao coração dizendo baixinho que era hora de viver um verdadeiro amor. 

Onde estás menino? Ouve menino onde quer que estejas, o presente pede arrumação para o que em teu corpo feridas deixou. É hora de colocar um ponto final em toda esta auto-sabotagem que não é benéfica... é hora de colocar os olhos e o dedo onde mais dói, somente assim conseguirás o menino feliz de outros tempos. É hora de guardar os pudores e entender que estágio da vida apela por renovação.

Um dia, talvez um dia me entendam... apenas espero que o tempo me dê tempo para ver esse momento!


Um bom domingo!


Alexandra










5 comentários:

  1. Olá Alexandra,
    Vim agradecer a visita e comentário no meu blog e retribuir a visita e dar uma lida nas suas postagens, o que não fazia há tempos.
    me identifiquei muito com o texto : Asfixia Emocional, pois tem muito a ver com meu pensamento sobre como devemos levara vida.
    O seu texto "desabafo" : A ganância impede a evolução humana também me fez lembrar algo muito parecido que vivi na minha família.
    São esses acontecimentos que fizeram eu ter o pensamento que tenho sobre a vida.
    É muito melhor sermos do que termos.
    Tenha um ótimo domingo.
    Beijos do Brasil

    ResponderEliminar
  2. A vida nos da tantas alegrias como inúmeras tristezas ,mas acima de tudo nos da uma enorme lição que e lutar contra todas as adversidades ,todos nos crescemos e nos tornamos adultos ,mas reconheço que ao mesmo tempo a vida me tirou toda a pureza de uma criança que simplesmente aprendeu a crescer rápido demais ,a vida e assim mesmo um emaranhado de sentimentos onde a inteligência e a razão estão em constante ebuliçao ,beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Alexandra é inegável que o texto nos deixa um tanto desnorteados, nos sacode para percebermos a vida que temos, se é a que queremos, e que não percamos tempo, afinal, tudo aqui é um estágio, pois que façamos o melhor, porque senão, "le temps d´apprendre à vivre il est déjá trop tard"...
    Gosto da sua escrita porque ela nos tira da zona de conforto e nos confronta com o que nem sempre ousamos assumir.

    Beijo!

    ;))

    ResponderEliminar
  4. Retiro do seu texto a urgência de verdade que caracteriza o pensamento de "menino". Hoje temos cada vez mais quem nos dê meias verdades e meias palavras...habituamo-nos a isso de tal forma que acabamos por ser também personagens a representar uma "meia vida".

    http://www.lavarcabecas.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Muito comovente. Respeito a história por detrás destas palavras sentidas.


    beijinho amiga Alexandra

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)