sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O segredo de todo o esforço valioso reside na fé - Bulwer Lytton








Portugal é, hoje, um país literalmente em chamas. Durante décadas brincou-se com o fogo e é o fogo que hoje consome bens e vidas de inocentes que o tentam domar para não mais estragos causar.
Há vários meses que vivemos uma verdadeira "guerra civil" política, disfarçada é claro pela ética e bons costumes, mas que não deixa de ser uma guerra de interesses onde a cadeia alimentar resume-se a um só osso que todos pretendem abocanhar.
Nestes últimos dias morreram jovens que por amor à pátria e profissão desafiaram as chamas e, elas, levaram-lhes a vida.
Não será altura de parar? De parar e pensar que raça Portuguesa somos afinal quando filhos da nação morrem e continuamos a debater... politiquices! Custará assim tanto olhar um pouco mais além, que não para o próprio umbigo?
Todos os dias recebemos sinais, sinais para que os nossos olhos não fiquem cegos ou adormecidos no engano e ilusão de ter aquilo que de facto não temos. E nós, Portugueses, não temos tido tempo para ser quem de facto somos. Com mais de novecentos anos de história o que nos ficou?! Terá sido, nada?
Matou-se um rei, acabou a monarquia veio a república. A república caiu, surgiu a ditadura e o país todo sofreu. Ressuscitada das cinzas eis que surge uma nova esperança, uma nova república de rosto lavado que prometeu mundos e fundos e onde estão esses mundos?
Quem somos nós? Onde estamos? Que fez, o que fez a política ao nosso país e o que fizemos nós quando a aceitámos sem questionar as suas premissas.
Vivemos de cabeça para baixo com um mundo ao contrário, feito do avesso. Não basta dizer basta, não basta dizer acordem, precisamos agir saindo da acomodação a que nos habituámos.
Não atirem mais lenha para a fogueira, perdemos jovens com esta "brincadeira" e por eles, unidos, devemos dar um final nesta novela de faca e alguidar.
Portugal está de luto, nós estamos de luto, paremos agora, vamos reflectir sobre o estado das nossas vidas. Deixemos de lado os polvos do mar e ouçamos os peixes que descem as águas cristalinas da sabedoria. Os peixes somos todos nós, oh povo de Portugal!
Haverá algo mais a acrescentar? Sou cidadã de Portugal e não quero ver o meu país destruído porque, afinal, por aqui desejo criar os meus filhos. Estejamos neste momento de dor unidos por uma causa nobre, salvar Portugal.

Alexandra Martinho

10 comentários:

  1. "Só quem pega na mangueira é que sabe o que é ser bombeiro." (Professor Alaje)

    A Alexandra já pegou numa? Sabe o que é agarrar com firmeza na mangueira? Aquela merda tem muita força... Nós somos voluntários CARAMBA! não precisamos que venham por aqui cagar postas de pescada. Luto?! LUTEM! Venham daí prevenir, apagar e impedir o deflagro tão comum nesta época. Menos conversa e mais acção! Tire o rabo da cadeira e faça algo de palpável. Letras há muitas, acções é que vejo pouco por aqui. UMA MERDA!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em primeiro lugar já, já peguei e também já morreu um familiar num incêndio. Quer que lhe diga mais coisas? Não falo sem saber, nem falo por ser moda ou bonito... Falo, escrevo e as minhas acções vão além da cadeira não se preocupe!

      Eliminar
  2. Parabéns por este texto e por todos os outros que tem escrito, Alexandra. Srº António, dou-lhe um conselho antes de falar ou escrever comentários leia os textos correctamente e não responda com tanta raiva dentro de si, os outros não têm culpa da sua frustração.
    Se tivéssemos mais mulheres como a Alexandra neste país, provavelmente não passaríamos tanto tempo a navegar pela internet e a dar atenção ou conversa a putedo. Infelizmente nunca damos valor ao que temos e depois quando perdemos choramos e queremos de volta.
    O meu comentário embora parece descabido foca algo que a Alexandra aborda, falta de valores morais e não só que paira na cabeça destas gentes.

    Não tenha vergonha de ser quem é e continue assim, gostem ou não! Como homem que sou digo abertamente que gostaria de ter na minha vida alguém assim. Portugal necessita de pessoas integras, não é de gente vagabunda! Tenho dito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António Soares, Bombeiro V.2 de setembro de 2013 às 01:53

      "Como homem que sou digo abertamente que gostaria de ter na minha vida alguém assim."

      Ponto 1: Se é um homem como diz ser, dê a cara meu caro amigo, sem medos!

      Ponto 2: Que eu saiba este site não é um daqueles para arranjar moças. Quer uma mulher na sua vida? Saia do computador e trate de arranjar uma, se que já não tem e porventura não lhe chega.

      "não responda com tanta raiva dentro de si, os outros não têm culpa da sua frustração."

      Raiva? Olha quem fala parte 3.
      Indignado estou pela ligeireza de como se fala e escreve de tudo hoje em dia... Uma meia dúzia de gatos pingados que se julgam dignos de ter o rabiosque sentado e não fazer nada... Mas fazem! O quê? Escrevem CARAMBA! AJUDEM! As horas que estão presos ao computador, façam qualquer coisa de útil porra! Mas arriscar a vida é tramado não é senhor anónimo?

      "Portugal necessita de pessoas integras, não é de gente vagabunda! Tenho dito!"

      Integras? Integro sou eu e centenas de corajosos que se matam por vocês! Gente vagabunda? Gente de nariz empinado, que pensam ser muita coisa mas não são nada? Que não descolam da barreira virtual confortável e que... escrevem? Muita paciência tenho eu para aturar este tipo de blogues... falem de tudo menos daquilo que não entendam!

      Tenho dito!

      Eliminar
    2. leocádio da cruz quebrada2 de setembro de 2013 às 02:11

      pois Alexandra sabe que na génese do problema do combate aos fogos está a política... sim, a política que permite a readequação organizativa e estrutural da forma como devem ser enquadrados os meios no combate aos incêndios... há meios para combater os incêndios no nosso país? sim, há! há bombeiros suficientes? sim, há! o governo em vez de cortar nos apoios financeiros, deveria reforçá-los? sim, deveria! o problema é que este governo corta no que não deve e dá subsidios a gente preguiçosa que nem se digna a limpar os seus terrenos e depois é o ai que me acudam! gente que não mexe uma palha, que passa a vida com o cu sentado numa cadeira que recebe subsidiozinho, mama do estado à pala do zé e da maria a seu belo prazer para comprar o seu ferrari e o seu 'jeep', enquanto quem devia ter os apoios necessários anda a morrer nas matas deste país... ESSE É QUE É O PROBLEMA!

      Eliminar
    3. Meus senhores,

      para se ser íntegro não é preciso ser bombeiro e não entendo, sinceramente, qual é o vosso problema quanto a este texto quando há tantos publicados diariamente no "mundo virtual". Aliás, não é aqui que vocês devem reivindicar e, mais acrescento, como em tudo nesta vida há bombeiros e bombeiros. Sou bombeira há 24 anos e não ando por aqui ou por ali a criticar tudo e todos. Temos um sistema que não funciona, os apoios não chegam, mas os civis não têm culpa. Não estes! Devíamos estar revoltados para com aqueles que todos dias provocam incêndios pondo vidas em risco. Engraçado como tudo envolve sempre uma coisa, dinheiro! Lamento colega de lhe dirigir estas palavras, mas não podia ficar indiferente. A autora deste blogue diz algo muito importante, é altura de parar e ver o que andamos a fazer com o nosso país, com as nossas gentes.

      Deus nos guarde a todos!

      Eliminar
  3. Acho que quem está no poder, a primeira boa acção que podia fazer era penalizar os responsáveis pelos fogos postos. Excelente texto, como sempre!

    ResponderEliminar
  4. Um lindo texto que subescrevo totalmente Alexandra ,quem somos e para onde vamos neste imenso manto negro que se esta a tornar este nosso Portugal .Lamentável Sr.Antonio atacar desta forma ,com certeza não entendeu o que leu infelizmente partiu para a ignorância desmedida .Beijinhos Alexandra continue sendo a pessoa que sempre foi felicidades

    ResponderEliminar
  5. Olá,
    Texto bem conseguido que representa atualidade, infelizmente vidas de jovens desapareceram numa luta travada com o fogo, a prevenção este ano foi diminuída na tentativa de reduzir custos, a prevenção não consegue reduzir os fogos, entre a prevenção estão lutas individuais pelo poder, pergunta-se, "que fazem os militares nos quarteis?" "porque não é entregue a prevenção á engenharia militar?" "que fazem os presos de barriga para o ar nas prisões?" porque não vão estes limpar as florestas, assim, pagam a divida à sociedade.
    Por fim é de lamentar que o senhor cavaco e silva, lamente a morte de um bandido e que diga sobre este que foi um grande homem e não tenha uma palavra para os familiares dos bom beiros que morreram e para todos os bombeiros que lutam diariamente.
    Quando assim se fala, aparece logo alguém a dizer que sou mal formado.

    ag

    ResponderEliminar
  6. Boa noite, Alexandra. Passei para agradecer a visita que fez ao meu blog, bem como as boas palavras que lá deixou. Tive uma surpresa maravilhosa. Você é de fato como se descreve no seu perfil, "uma mulher de convicções fortes e que não cruza os braços perante as adversidades."
    Texto corajoso e necessário. Recomendo ao amigo Antonio que releia, e medite, porque também ler sem entender não adianta nada, que foi o que parece que aconteceu com ele na primeira leitura. Voltarei outras vezes. Abraços. Sigo com satisfação.

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)