domingo, 18 de agosto de 2013

O mundo ao Contrário?






Há qualquer coisa de extraordinário na velocidade em que o mundo gira (vive), de extraordinário em como os valores se inverteram, mas será todo esse extraordinário um extraordinário digno de aplauso?

Os séculos avançaram, a civilização mudou, nós mudámos, mas estamos cada vez mais pobres. Pobres no espirito, pobres na carteira. Acomodamo-nos à pobreza do ser, de velhos hábitos e dizeres que tendem a ser prejudiciais, que sabemos ser prejudiciais.

Somos invadidos diariamente por mensagens que incutem no cérebro necessidades supérfluas, apareceram as novas famílias, deu-se a deterioração dos antigos laços familiares. Hoje, não se ouvem os conselhos dos mais velhos, não há respeito, não há regras, não há amor. Há o amor de fachada que vem estampado e embrulhado num lindo presente que custou, talvez, os olhos da cara ou um ordenado inteiro. Os miúdos de hoje não são os de ontem, nem os de amanhã. Têm acesso constante à informação e desinformação, os pais satisfazem caprichos, dizem sim a tudo e alimentam os anseios de toda uma sociedade consumista que caminha a passos largos para a destruição maciça da concepção real de ser homem e mulher.

Como serão as gerações futuras? Preparadas para enfrentar e encontrar soluções para os desafios do mundo lá fora?

Evoluímos materialmente, mas regredimos, regredimos anos de luz no que toca ao conhecimento pessoal de cada um. Não cuidamos, não alimentamos os nossos olhos, a nossa mente com boas "imagens". Baseamos a nossa vida numa, na busca constante por segurança material e esquecemos que nem só de riqueza vive o homem.

Nasci, vivi e ainda vivo no campo, por aqui ainda há espaço e tempo para apreciar pequenas coisas, para sentir os verdadeiros acontecimentos da natureza... há tempo de viver em paz e tranquilidade!

O mundo ao contrário tem tudo menos cariz de novela. O mundo ao contrário é uma realidade assustadora que consome a cada dia que passa o entusiasmo, a esperança de trazer ao cimo aquilo que se perdeu: humanidade e humildade nos corações.
A nossa sociedade vive de tudo e de nada, de teorias vazias, de redes sociais (showoff), de espiritualidade (doméstica), de Deus (o responsável), porque tudo isto é... MODA! Atingimos o limite da exposição, não há mais o reconhecimento de quais informações pertencem à esfera pessoal ou pública, tudo é motivo de conversa, tudo é motivo de divulgação. Errado, tudo isto está errado! Porque razão os divórcios acontecem, porque razão temos mais pessoas deprimidas e doentes do foro psicológico, porque razão as famílias são cada vez mais disfuncionais e problemáticas?



Sociedade Infantil e consumista, será esta uma boa definição para o nosso espaço envolvente?


Nada muda se quem deseja a mudança não mudar.


Uma boa semana para todos!

Alexandra Martinho



4 comentários:

  1. Najguma parte da História da humanidade fomos civilizados e humanos na perfeição?

    Houve pessoas, houve fases e assim continuará.

    Tudo depende da perspetiva.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pérola,

      permita-me que lhe que em várias épocas da história da humanidade fomos bem mais civilizados e humanos que somos hoje. Perfeição? Pode existir, mas para isso, o homem deve parar e olhar-se coisa que dificilmente faz! O texto da Alexandra foca algo que está muito em voga, o refugio das pessoas em "Deus" e "teorias espiritualistas" que pregam constantemente, mas depois têm vidas num autêntico caos. 

      É preciso ter atenção, sobretudo, naqueles que passam pela nossa vida e que os afastamos porque andamos cegos com mediocridade e gente medíocre! A humanidade regrediu e vários são os meus colegas historiadores que concluíram isso com os seus estudos. Olhemos para a realidade Portuguesa, temos um país com imensas potencialidades, mas quem está no leme (e não falo somente no governo) não tem capacidade de ir mais além. Um grande mal da nossa nação é a acomodação e queixume em excesso. Os Portugueses somente mudam e aderem à mudança em situação extremas, até além andam a coxear e empurram tudo com a barriga. Mais tarde arrependem-se porque percebem o que perderam.

      Sinceros cumprimentos, Pérola.

      Beijo, Alexandra.



      A.C

      Eliminar
  2. Adorei este momento existe hoje um facilitismo podre ,tudo e conseguido sem trabalho olho para tras e vejo a enorme diferença de carater das pessoas ,tornaram-se egoístas ,materialistas e egocêntricas ,jamais sera como dantes .Vivo na cidade onde tenho casa própria que sempre foi um dos meus objetivos na vida ,mas pensei aqui tudo e tao triste tao mecanizado faltava-me um cantinho onde encontra-se a paz de espirito que tanto me fazia falta então lutei mais ainda e comprei uma linda casa de pedra numa linda terra chamada Loriga rodeada pela linda Serra Da Estrela que a reconstrui com as memorias do passado,pois e la que sinto o conforto das pessoas tudo e diferente da cidade ,so não troco porque infelizmente trabalho pouco existe .Muitos podem achar que por ter duas casas sou filho de pais ricos ,enganam-se pois lutei muito para ter ,heranças não tive apenas comecei a trabalhar cedo onde a vida me foi tao matreira, como se não bastasse me tirou tudo aos 21 anos ,mas superei não desanimei pois tudo o que perdi são bens materiais sobrou-me a vida essa sim o meu bem mais precioso ,mas alem de tudo os ensinamentos estavam ca dentro e continuarão ate a minha morte ,sempre aprendi que nada se tem sem trabalho ,respeitar os outros como a mim mesmo ,sei que sou imperfeito porque infelizmente já nascemos assim ,mas mesmo assim agradeço a Deus pelo novo amanhecer de cada dia ,sempre haverá esperança para quem acredita na vida ,muitos beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  3. Para que haja mudança não basta querer,tem que se fazer.O mundo hoje pode ser tão mau ou pior do que ontem ou do que o amanha,depende da perceptiva de cada um.
    Boa semana para ti.Beijos

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)