quinta-feira, 21 de agosto de 2014

"Homens e mulheres, Marte e Vénus - Aprender a ouvir"






"A reclamação mais freqüentemente expressa pelas mulheres sobre os homens é a de que eles não
sabem ouvir. Ou um homem ignora completamente quando ela fala com ele, ou ele ouve por alguns
momentos, fica ciente do que a está aborrecendo e então orgulhosamente põe o seu boné de sr.  Conserta-Tudo e oferece-lhe soluções para ela sentir-se melhor. Fica confuso quando ela não aprecia esse gesto de amor. Não importa o número de vezes que ela lhe diga que ele não a está a ouvir, ele não entende e continua a fazer a mesma coisa. Ela apenas deseja empatia, mas ele pensa que ela quer soluções.
A reclamação mais freqüentemente expressa pelos homens sobre as mulheres é a de que elas estão sempre a tentar mudá-lo. Quando uma mulher ama um homem, ela sente-se responsável por assisti- lo em seu crescimento e tenta ajudá-lo a melhorar o modo como ele faz as coisas. Cria como que um comitê para o progresso da casa, tornando-o no seu foco principal de acção. Não importa o quanto ele resiste à sua ajuda, ela persiste e espera por qualquer oportunidade para ajudá- lo ou dizer o que deve fazer. Pensa que o acalenta, mas aquilo que ele sente é controlo quando o que mais deseja é ser aceite como é. 


Os homens, no entanto, precisam lembrar-se que as mulheres conversam sobre problemas para se aproximarem e não para conseguirem soluções. Muitas vezes quer somente compartilhar seus sentimentos sobre o seu dia, e o seu marido ou namorado, interrompe-a oferecendo uma série de soluções para os seus problemas ou minimizando aquilo que ela possa estar a sentir. Não tem a menor ideia da razão do seu aborrecimento.

Por exemplo, Mary chega a casa depois de um dia cansativo e aquilo que ela quer é precisamente compartilhar os seus sentimentos sobre o seu dia.

Ela diz, "Há tanto para fazer; que não tenho tempo nenhum para mim mesma".

Tom diz, "Devias sair daquele emprego.  Não tens que trabalhar tanto. Procura alguma coisa que gostes de fazer".

Mary retruca, "Mas eu gosto do meu trabalho. Eles apenas esperam que eu mude tudo de um momento para o outro".

Tom diz, "Não lhes dês importância. Faz somente o que podes fazer".

Mary diz, "Eu faço! E não posso acreditar que esqueci-me completamente de ligar para minha
tia hoje".

Tom diz, "Não te preocupes com isso agora, ela vai entender".

Mary diz, "Por acaso sabes o que ela está a passar? Ela precisa de mim".

Tom diz, "Preocupas-te demais, é por isso que estás tão infeliz".

Mary diz nervosa, "Não estou sempre infeliz. Não podes ouvir-me, simplesmente?"

Tom diz, "Estou a ouvir".

Mary diz, "Porque é que eu importo-me?".




Depois desta conversa, Mary estava ainda mais frustrada do que quando chegou em casa ansiosa
por intimidade e companheirismo. Tom também estava frustrado e não tinha a menor ideia do que estava errado. Ele queria ajudar, mas a sua táctica resolve-problemas não funcionou. Sem saber da dinâmica existente entre o sexo feminino, Tom não entendia o quanto era importante somente ouvir sem
oferecer soluções.  As suas soluções só pioraram as coisas. As mulheres nunca oferecem soluções quando alguém está a falar. Uma maneira de honrar a outra mulher é ouvir pacientemente com empatia, ambicionando verdadeiramente entender os sentimentos da outra. Tom não fazia ideia de que bastava ouvir com empatia enquanto Mary expressava os seus sentimentos para causar-lhe uma satisfação e um alívio tremendos. Quando Tom percebeu o quanto ela precisava conversar, gradualmente aprendeu a ouvir. 
Hoje, quando Mary vem para casa cansada e exausta, as conversas entre eles são diferentes. São assim:

Mary diz, "Há tanto que fazer. Não tenho tempo para mim".

Tom respira fundo, relaxa ao expirar, e diz, "Hum, parece que tiveste um dia difícil".

Mary diz, "Eles querem que altere tudo de um momento para o outro. E não sei o que fazer".
Tom faz uma pausa e então diz, "Hmmm".
Mary diz, "Até esqueci de ligar para a minha tia".
Tom diz com uma pequena franzida de testa, "Oh, não". Mary diz, "Ela precisa tanto de mim agora. Sinto-me tão mal".

Tom diz, "És um anjo. Vem cá, deixa-me abraçar-te".

Tom abraça Mary e ela relaxa nos seus braços com um grande suspiro de alívio. Ela diz, "Adoro conversar contigo. Fazes-me realmente feliz. Obrigada por me ouvires. Sinto-me melhor". 
Não só Mary mas também Tom se sentiu melhor. Ficou surpreendido com o quanto a sua esposa ficou mais feliz quando ele finalmente aprendeu a ouvir. Com essa nova consciência das suas diferenças, Tom aprendeu a arte de escutar sem oferecer soluções enquanto Mary aprendeu a arte de deixar acontecer e aceitar sem oferecer conselhos ou críticas não solicitadas. Para resumir os dois erros mais comuns que cometemos em relacionamentos:

1. Um homem tenta mudar os sentimentos da mulher quando ela está aborrecida tornando- se o sr. Conserta-Tudo e oferecendo soluções para os seus problemas que invalidam os sentimentos dela.

2. Uma mulher tenta mudar o comportamento de um homem quando ele comete erros tornando- se o comitê para o progresso da casa e oferecendo conselhos e críticas não solicitadas."



Muito embora os diálogos introduzidos pelo autor possam parecer forçados, o que é certo é que o que aqui está descrito é uma realidade mais ou menos presente na vida de cada um. Dá que pensar, não acham?

Votos de uma excelente quinta-feira!


Alexandra

7 comentários:

  1. Menina, não é que você está certa? A vida a dois é como uma guerra de foice no escuro, ninguém sabe ouvir nada, mas existem poucas exceções.
    Obrigada pelo carinho
    Volte sempre
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito, aprender ouvir certamente faz a diferença entre o homem e a mulher ,muitos beijinhos Alexandra

    ResponderEliminar
  3. Olá Alexandra,

    Admito que devo ser uma mulher "estragada", é que não concordo nada com isto: " Ela apenas deseja empatia, mas ele pensa que ela quer soluções." Eu gosto realmente de soluções.

    Quanto aos diálogos, o primeiro tem muito mais a ver comigo, o do:
    "Tom diz, "Preocupas-te demais, é por isso que estás tão infeliz".

    O outro não é de forma alguma a minha cara. Este:
    "Tom diz, "És um anjo. Vem cá, deixa-me abraçar-te".

    Acho que nós as mulheres por vezes complicamos demasiado, por vezes é só mesmo deixar-se ir e viver. Por vezes é preciso deixar o amor a descansar, não querer arranjar explicações para tudo, apenas respirar, um pouco de sentido de humor, et voilá... faz milagres em todos os sentidos.

    Beijinho, Alexandra, bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  4. Bom eu vivo com o mesmo homem há quase 50 anos. Já passamos por altos e baixos, mas o amor, e o respeito pela individualidade de cada um, transformaram montanhas em montículos de areia. Hoje quase nem precisamos falar. Basta um olhar para comunicarmos. E considero-me uma mulher feliz. Homens e mulheres são diferentes. Eles podem não ser fáceis de entender, mas decididamente nós também somos bem complicadas.
    E eu prefiro o primeiro caso.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Bom dia, a tolerância, compreensão e dialogo é importante num casal, saber ouvir o outro é contribuir para acalmar quem necessita de falar, somos humanos e nem sempre estamos certos nas atitudes e no pensamento.
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Obrigado pela linda musica que me deixou no meu blog, retribuiu que espero que seja ao seu gosto.
    Penso que a mesma é adequada a esta publicação.
    Porter Surround me with your love https:https://www.youtube.com/watch?v=fsrV5L-yTz8

    ResponderEliminar

  7. Olá, Alexandra, bom tudo

    Grato, por ter comentado no meu blogue, E receba os meus desejos de um fim de semana feliz.
    Abraços

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)