segunda-feira, 6 de abril de 2015

'Simplificando o simples'



Simplificando o simples no semblante dos tristes náufragos da revolta, por certo, que além mar existirá um canto de paraíso sem fastios moribundos que fazem chorar. 
A visão de horror. O assombramento consciente de no meio de tanta gente não existir abraço de conforto que pacifique a alma de quem navega nos meandros da solidão.
Talvez seja. Talvez tenha sido o chicote da vida que na carne santa profanou tamanha ferida de desilusão. 
É isto. Breve e sucinto o sentimento que se resume a um conto de fadas descontroladas que aos olhos de Deus não encontram perdão. De mim não sei. E tu quem és? De quem é o mundo que renega simplificar o simples gerando apenas confusão? Não nos baralhemos. Não fujamos ao nosso destino. Sejamos felizes ainda que chicoteados pela "insimplicidade" da vida.









Alexandra

2 comentários:

  1. Um texto muito interessante. É minha convicção de que todos somos feitos para ser felizes. Infelizmente nem sempre o conseguimos, muitas vezes por culpa própria.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho de facto nada a acrescentar porque disse tudo aquilo que se reflecte no texto.

      Um abraço fraterno

      Eliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)