quarta-feira, 15 de julho de 2015

Hipnose clinica





Há momentos em que é necessário pedir ajuda para resolver questões pendentes que encontraram o seu lugar na não resolução do tempo. O tempo não ajudou a sarar feridas, muito pelo contrário.

Não sou diferente dos outros seres humanos e, confesso, entrei numa espiral de destruição e desgaste que poderia ter terminado mal.
Após mais de dois anos, após tantos eventos dolorosos que vivi sem uma única queixa era uma questão de tempo até a corda partir. Partiu. 
O sistema nervoso ressentiu-se. A paciência foi-se e confesso, instalou-se em mim uma enorme vontade de mandar tudo e todos dar uma volta ao bilhar grande!!!

Fiquei sem disponibilidade. Sem amor para dar. Sem compaixão. Seca que nem um rio em pleno verão rigoroso. Tudo isto foi o meu grito de revolta para que os outros se sentissem e ressentissem que não sou feita de ferro.
O reflexo do meu cansaço e de que por muito forte que sejamos, ou até, apesar do excelente background que possamos ter há um dia em que tudo quebra. 

Procurei ajuda e encontrei. Neste momento estou em processo terapêutico, a curar as minhas emoções com recurso à hipnose clinica. Que posso dizer sobre isto? Ao fim de duas sessões consegui restabelecer o meu sono e dormir em paz. Após a segunda sessão de terapia, segunda-feira, dormi cerca de 14 horas seguidas o que, para quem ao longo destes dois últimos anos dormia cerca de 4 horas por noite, foi muito bom!

Um processo de luto que não foi devidamente vivido seguido de trabalho intenso é uma das causas. Mas há mais. A velocidade de viver que nos é exigida não dá tempo, margem para que ultrapassemos a dor de uma forma saudável. 
É maravilhosa a quantidade de informação que o nosso inconsciente guarda e o quanto essa informação devidamente revelada/recordada nos pode ajudar a encontrar equilíbrio

Estou nesse caminho e a tentar mudar alguns hábitos na minha vida. Ter tempo para mim e para as minhas necessidades. Saber até onde posso ir e até onde devo permitir a proximidade dos outros. Estabelecer fronteiras é importante para o meu bem estar. Chegou a altura de perceber quem está "lá" para mim e não o contrário.


Desejo a continuação de uma boa semana.


Alexandra












8 comentários:

  1. E eu, Alexandra, desejo-lhe sucesso nessa terapia.
    Que tudo volte ao seu lugar.
    Um beijo e um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Susana, é nesse sentido que agora trabalho!

      Beijinho

      Eliminar
  2. Acredito na hipnose ... feita por quem sabe.
    Beijinho, Alexandra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois António, a hipnose apenas deveria ser feita por pessoas qualificadas e com formação base na área da saúde mental e emocional. Porque quando falamos de hipnose falamos do inconsciente, daquilo que está armazenado e que tantas vezes constitui um bloqueio às vivências do presente. Somos muito além do visível e do palpável, sendo uma pena que nem todos entendam isso.

      Há um longo caminho a percorrer no que toca ao efectivo esclarecimento das coisas.

      Beijo
      Estou a ser acompanhada por quem sabe e o que é certo é que já obtive resultado após a primeira sessão.

      Eliminar
  3. E não te esqueças de investir no contacto com a natureza. Ela tem uma força incrível...e ajuda a acumular energia e poder.

    ResponderEliminar
  4. AC,

    tenho esse contacto todos os dias, felizmente! Possivelmente não o tenho aproveitado da melhor forma, mas a minha vida assim o exigiu!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Desejo-lhe que tudo corra bem ,muitos beijinhos felicidades.

    ResponderEliminar
  6. Alexandra,

    Seu relato mexeu comigo, também passei um processo assim, muitas perdas durante a vida, o querer se isolar do mundo, cultivei a culpa e me consolei na solidão... Mas a vida exige de nós atitudes e ela exigiu de mim, encontrei pessoas que me ajudaram, passei a me amar e me encontrei ao escrever sobre meus sentimentos... Espero que esteja bem, sucesso nesse seu processo... Beijo.

    ResponderEliminar

Façam do meu espaço o vosso espaço, ousem comentar... eu ousarei responder! :)