quarta-feira, 14 de setembro de 2016

*Embarca*











Embarca nesta barca de amor forasteiro
não faças de mim teu alvo certeiro
enquanto me liberto do manto negro em segredo.
Embarca nesta barca de amor forasteiro
conta-me na alvorada um simples segredo
enquanto em lábios teus selo amor meu.





Alexandra

terça-feira, 13 de setembro de 2016

* Vidas *








Por mais dolorosa que seja uma perda, fechar as portas do coração ao mundo é o pior dos erros a cometer. E perder, não se perdem apenas amores, perdem-se vidas que poderiam ser preenchidas e acabam vazias. 
Sabemos o que nos faz bem e aquilo que nos faz mal mas, verdade seja dita, há caminhos mais fáceis que outros e a facilidade é e sempre será atractiva. O verdadeiro sentido da consciência não berra, fala baixinho para não assustar a alma que batalha todos os dias por ter um dia melhor. 
Perseverança e disciplina, duas palavras básicas para o viver básico, aquele viver que faz toda a diferença e que não faz doer.

É a letargia que nos mata, não é a morte!




Alexandra

terça-feira, 2 de agosto de 2016

domingo, 10 de julho de 2016

A ganância sentimental é a mais fatal das formas de ganância.






A ganância sentimental é a mais fatal das formas de ganância.
Quando tens tudo aquilo de que precisas e continuas à procura daquilo que precisas: estás a conseguir, aos poucos, perder aquilo de que precisas. A ganância é o lado B da ambição. E o que numa é luz na outra é escuridão.
A ganância sentimental é a mais fatal das formas de ganância.
Se amas e és amado: tens tudo. Não queiras mudar de tons, de cores, de gritos, de gemidos, de geografia. Não queiras mais do que aquilo que tens – se tens tudo aquilo que queres. Se amas e és amado: és o dono do mundo. Se amas e és amado: és o cabrão mais abençoado do mundo. Agradece. Todos os dias, a toda a hora. Não queiras menos do que tudo, sim. Mas não queiras, mais ainda, mais do que tudo.
Se amas e és amado és o cabrão mais abençoado do mundo.



By Pedro Chagas Freitas


In Prometo Perder


segunda-feira, 20 de junho de 2016

*A vida flui quando abrimos os olhos para ela*












Ao saber aquilo que se quer não se aceitam sacrifícios, não se aceitam migalhas. Vive-se em harmonia, descartando-se a toxicidade de relacionamentos empobrecidos. A vida flui e vemos exactamente aquilo que ela é sem filtros de terceiros. Não há redes, não se grita por nomes com lágrimas nos olhos porque esses mesmos nomes estarão sempre por perto!
Não se perca em nome de algo que é e sempre será apenas uma ilusão. Liberte-se das neuroses do destino, porque elas são isso mesmo neuroses que cegam o resultado final da equação.








Alexandra