segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Persistência é Fundamental





(representa a minha personalidade)




A nossa vida é um caminho, no qual, devemos permanecer fieis aos nossos ideais e objectivos. 

Nesta jornada de busca pela harmonia e aperfeiçoamento é natural que surjam obstáculos, pessoas, opiniões para por em causa aquilo em acreditamos. Lealdade, lealdade a nós, ao que sentimos e queremos, é o que necessitamos nestes momentos que poderão gerar hesitações, retrocessos. 

Mas, a verdade, é apenas uma e universal! No nosso coração, nós somos o que somos, porque é a essência e a alma que dita o ser. Mantenham-se, por isso, fiéis ao desejo da vossa alma.


Boa semana a todos!


Alexandra




sábado, 24 de novembro de 2012

*Segundo Semestre de 2012: Hora da Cura*







2012 foi anunciado como o ano das grandes decisões e das profundas transformações, não houve falhas, as grandes decisões têm acontecido e as profundas transformações (sociais, financeiras, amorosas e familiares, como profissionais) estão aí aos olhos de todos.
Desde Junho/Julho deste ano que o nosso planeta tem sido fustigado por grandes e fortes ondas de energia que impelem o homem a não cruzar braços, a tomar decisões, deixando a passividade de lado. Manifestações, discussões, atitudes reivindicativas são todas elas formas de dizer não à "paz virtual"! O confronto com a verdade chegou e não mais podemos viver na mentira em que a nossa sociedade se transformou.

Tem sido feito o convite para que todos olhem para as suas raízes, para que se cultive e aprofunde os relacionamentos existentes através da cura. Cura de emoções, de situações e vivências passadas que ainda magoam, que sorrateiramente vão minando o presente com comportamentos e atitudes repetitivas. 

É notório que o segundo semestre deste ano para muitas pessoas tem sido como um turbilhão de emoções. Conflitos e discussões sem razões plausíveis, tensões, sentimentos de competição e conflito de interesses estarão ainda em vigor até dia 27 ou 28 deste mês. 
A família e os relacionamentos íntimos saem evidenciados até ao final deste ano como a única fonte de regeneração, mas de tensão também, para que o fortalecimento das raízes emocionais se dê... para que maturidade floresça e assim os seus intervenientes possam finalmente fazer as pazes e pacificar o passado. Não se deve virar costas, nem menosprezar queixas ou outros sinais que evidenciem mau estar por parte daqueles que amamos. Se algo vos magoar, pensem no quanto têm contribuído para a situação, 2012 abriu caminho para que a insensibilidade seja posta de lado, mas tenham cuidado com as ilusões/segundas intenções.

Problemas de saúde ocorreram e poderão ainda ocorrer... se sentirem necessidade de chorar, chorem! Não inibam essa capacidade magnifica que nos/vos foi dada para libertar aquilo que está a mais no nosso/vosso peito.

Crescimento, expansão, aprendizagem e o próprio refinamento espiritual estará mais pronunciado. 

Outubro foi, Novembro continua a ser o mês da tomada de consciência das feridas e padrões emocionais que necessitam de cura e que estão a provocar novos traumas... incapacitando que se viva a vida de forma plena! 

Em função de normas culturais e sociais a grande maioria de nós deixou de viver em função do seu projecto individual de vida, em função da sua energia. Não é, por isso, de estranhar que os pensamentos, sentimentos e comportamentos sejam na sua grande maioria negativos e até derrotistas. A essência tem andado separada do ser, dando lugar ao parecer... por isso, tantas vezes ouvimos dizer: "Nem tudo o que parece é!". 

Meus irmãos e minhas irmãs, pensei nunca algum dia na minha existência vir a escrever um texto desta natureza ou a dirigir-me assim a vocês. Mas é um facto, nós somos todos irmãos e irmãs, filhos e filhas do mesmo criador.  Eu sei porque aqui estou, sei o que aqui faço, considerem isto como uma ferramenta para que cada um de vós veja o que aí dentro precisa de resolução. 

A nossa alma e o nosso coração são os nossos tesouros sagrados, sendo esta a nossa jornada sagrada em que devemos encontrar e trabalhar o nosso aperfeiçoamento enquanto humanidade. 

Digam adeus ao velho, abram os vossos braços para o novo! Comecem do zero, porque começar do zero é bem mais prazeroso do que recomeçar!
Se eu tenho a capacidade de confiar na minha visão interior, nos meus instintos e intuição, mesmo que ela seja incompreendida e rejeitada por quem me rodeia, vocês também a possuem e com ela podem e devem dar um lufada de ar fresco às vossas vidas!

Um beijo na alma a todos!

Namasté

Alexandra

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

*Boas maneiras, precisam-se*








Não fui, não sou, nem nunca irei ser uma mulher como todas as outras, aquelas que não pensam por elas próprias e que se deixam seduzir por qualquer borra botas que lhes dirige um "elogio".
Estas últimas semanas para mim têm sido terríveis, só Deus e eu, sabemos como ando, como me tenho controlado para não sair porta fora e distribuir murros e pontapés a quem me aparecesse pela frente. 

Infelizmente, o inevitável, aconteceu! Esta tarde houve um fulano com idade para ser meu pai provou o meu punho cerrado no meio das "fuças". Abomino quando dizem que sou "boazona" e que na horizontal somos todos da mesma altura. 

Tenho dois metros de altura, é um facto, o que tem incomodado muitos pindéricos e pindéricas. 
Adoro andar descansada pela cidade, vou falando com quem conheço e observo o que está nas montras das lojas que ainda restam no centro histórico. 

E hoje, foi assim, até... quando ia a caminho da pastelaria para comprar uns quantos pampilhos de chocolate, estavam dois tipos em que um dizia: "eh pá, olha-me aquela gaja! Foda-se é grande e boa!" nisto, o outro diz "Oh boazona, na horizontal éramos da mesma altura!"... não se dando por satisfeito insiste "Estou a falar para ti, oh grandalhona!". 
Não sei o que se passou comigo, simplesmente deixei de ver fosse o que fosse, fosse quem fosse e quando voltei ao meu estado normal, o fulano estava estendido no chão. Tenho a mão dorida, mas estou-me literalmente a borrifar para o que possam ter ficado a pensar. 

Estou farta, estou cansada de aturar gente de merda sem o mínimo de educação. Estou saturada de "putas" e "cabrões", porque "putas" sempre as tive na minha vida e graças a elas ou a "ela" tenho um pai com quem não se pode desabafar, dar um abraço ou um carinho. Estou meses sem o ver e todos os dias ele passa aqui à porta de casa. É simplesmente uma marioneta nas mãos de uma mulher, que não merece sequer ser chamada de mulher... não o sabe ser!

Quanto aos "cabrões", cobiçam as mulheres dos outros e não dão conta do recado em casa! Andam preocupados com as mulheres dos outros e não se preocupam com as deles. Que querem que vos diga mais?! 

Sou mulher, tenho muito orgulho em o ser, por isso, não admito aquilo que descrevo neste post e outras coisas mais. Não admito, não gosto, não quero e estou cheia desta sociedade de merda que vive de protocolos, de fantochadas, do diz que disse e que no fundo, não passam todos de uns miseráveis papagaios que se imitam uns aos outros sem personalidade. 

Uma mulher para ser mulher não tem medo de partir as unhas, mexe na lama, na caca, mexe onde for preciso... é mulher e sabe ser uma mulher de respeito em casa, na rua, no trabalho! Eu podia ignorar? Podia, mas não era a mesma coisa... quando temos em cima anos e anos de mazelas de situações que nos magoaram é assim que reagimos. Além do mais já tenho que me dê elogios e a ele devo respeito e outras coisas mais que hoje em dia pouco se vê!

Acrescento, um homem para ser homem, deve e tem de usar os tomates que tem para cuidar da mulher que tem em casa, não daquelas que passam na rua. Um homem que se diz ser homem preserva a mulher que tem em casa, transformando-a na Deusa que só ela pode e deve ser para ele. Um homem que é homem tem de ter palavra, porque sem ela é lixo... é merda que não interessa, nem para papel higiénico serve! 

Lamento se revelo agressividade, estou cansada (uma vez mais o digo), cansada de ver, cansada de ouvir! A Alexandra não é somente um pedaço de carne com duas pernas, uma vagina, um par de seios e uma cara bonita... a Alexandra é uma mulher que já teve o seu pedaço (gigante) de dissabores, que já passou as "passas do Algarve", mas não morreu... está viva e aprendeu a defender-se de ambientes hostis para sobreviver e viver em paz! E tudo isto sou eu, doa a quem doer, goste quem gostar... eu gosto e o resto é paisagem!

Eu quero e gosto de paz... para mim, para todos!


Namasté!

Alexandra Martinho

*Após 11 anos de ausência*




(Cher em 2010, na promoção do filme "Burlesque")


Após onze anos de ausência, Cher, aos 66 anos decide voltar às paradas musicais. Quem não se lembra da famosa música "If I Could Turn Back Time" de 1989, com videoclip rodado num paquete recheado de marinheiros... e Cher em trajes menores?!

O novo single "Woman's World" será lançado oficialmente, segunda-feira. 





Boa noite


Alexandra



quinta-feira, 22 de novembro de 2012

*Vocês têm o coração dos vossos filhos?*








Quer me parecer que as crianças e jovens de hoje teimam em querer crescer depressa demais, antes do tempo que para cada um deles está reservado.
Não choram, não são contrariados, não ouvem um não, mais parece que eles são os pais e os pais, os filhos!
Isto não é educar, nem tão pouco é ter o coração dos filhos. Criam-se assim seres impreparados para a vida, que reagem mal e não aceitam as adversidades da mesma, que não é um conto de fadas. 

Assim surgem os "monstros" que a dita sociedade moderna alimenta todos os dias! 

Educar é dizer não, é ensinar como aprender a crescer. Valorizar os sentimentos, estabelecendo pontes reais e emocionais que prespectivem a vida para a criança como ela é. É preciso amar para ser amado, brincar para desenvolver componentes cognitivas e sociais, estabelecendo vínculos profundos com os adultos.

Se queremos ter futuros adultos saudáveis devemos alimentar amor neles e não o ego! A necessidade primordial de uma criança é ser amada, ouvida, acarinhada... ter certeza de que não será abandonada! Se um pai ou uma mãe dá tudo aos seus filhos e nunca diz não, terá futuros homens e mulheres insatisfeitos e não preparados para frustrações ou desilusões! Possuindo uma fraca estrutura emocional e psicológica!

As crianças estão estragadas com mimos, precisando entender que há de tudo na vida, inclusive, a derrota!

Namasté!

Alexandra Martinho








quarta-feira, 21 de novembro de 2012

*Ensaio sobre a cegueira*







É altura de parar para sentir, ouvir, olhar! Onde ficou a nossa lucidez, a valorização dos afectos! 
É hora, é hora de deixar cair a venda... não tenham medo da luz, nem das adversidades. Somos os olhos dos olhos daqueles que os perderam, somos a luz que afastará as sombras. Lembrem, tudo isto seremos quando encontrarmos a essência que perdemos! Voltemos então ao ser e não ao parecer!


Namasté!



escolha musical de hoje... Bach - Cello Suite.





Alexandra Martinho

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Ser ouvidos é um direito













Liderança é a capacidade de saber guiar, conduzir, dirigir ou preceder. Liderar é uma arte que poucos dominam, que poucos ousam usar, mas que muitos não têm noção do quanto esta arte, se mal usada, é prejudicial para a vida pessoal ou de um grupo.
Portugal padece há alguns anos desta doença, uma doença que tem corroído com erros e abusos o bem estar de toda uma população. Se outrora Reis eram prep
arados e educados para assumir a posição de liderança de um País, os "reis" da nova era não o são... são sim, marionetas dos seus próprios interesses. Utilizam a comunicação social e outros meios que veicularão a mensagem, mensagem que os conduzirá ao poder através do voto... um voto sigiloso (supostamente) e com pleno livre arbítrio (que não acontece, porque ao existir campanhas eleitorais há manipulação).

Se como nação temos de votar, como nação temos e devemos ser ouvidos. Vou fazer uma questão: quem é o Miguel Sousa Tavares, Marcelo Rebelo de Sousa, Paulo Morais, entre outros nomes, que insistentemente são convidados a peso de ouro para aparecer no nosso ecrã de televisão e que falam apenas do que de pior no nosso país existe? Serão eles representantes fiéis das necessidades ou restrições que os trabalhadores e famílias portuguesas atravessam? Quanto é que estes "pregadores" e "voadores" recebem para vir espalhar o caos? Caos esse que está mais do que instaurado, afinal de contas, é sempre o pequeno "peixe" que morre sem nunca ter comido (povo)!

Portugal mergulhou na discórdia, onde todos ralham e ninguém se entende. O governo não respeita os seus eleitores, os eleitores não respeitam o governo que elegeram. Não há, não tem havido liderança, apenas jogos de interesses que estão aos olhos de todos. A comunicação social é isso mesmo, social! Mas mais parece ser uma comunicação de elites, que não dá voz a quem merece, que não ouve quem realmente sofre, que não ouve efectivamente quem trabalha. São estes homens e estas mulheres que conhecem a realidade do país, todos eles contribuem para que a economia interna continue a funcionar... nós somos dez milhões e não apenas três ou quatro cabeças de pseudo-doutores informados que dizem meias verdades e meias mentiras. Certo é que quem os ouve raramente os percebe... ciclos viciosos que apenas servem para empatar e adormecer. Vejo uma vez mais que com a desgraça de muitos, outros querem apenas as luzes dos holofotes do protagonismo.

Por diversas vezes li nesta rede social e ouvi nas ruas, que a ditadura e o fascismo anda à solta. Quem o diz ou escreve devia ter cuidado e já referi isso num comentário a um artigo! Para quem não se lembra estas formas de exercício do poder chegaram e ocuparam o seu lugar à conta da contestação popular e inoperância dos governos vigentes da altura.

Já que gostam tanto e sentem prazer de comparar Portugal com o estrangeiro, deviam referir que hitler esteve no poder os anos que esteve porque sofreu mais de 80 tentativas de homicídio, todas elas falhadas, que levaram muitos a acreditar que este homem era um semi-deus! Aliado a isto existia tudo aquilo que nós conhecemos, mas também ele, caiu!

A manifestação de 14 de Novembro considero-a como um "acto hediondo" onde por erros e manias de meia dúzia pagam todos... todos aqueles que apenas desejavam e desejam ser ouvidos.
O que nos faz falta? Um líder no verdadeiro sentido da palavra! Quem governa uma nação, deve colocar os interesses da nação acima dos seus próprios interesses. Em certa parte, hoje, vivemos algo parecido ao ultimato inglês ou mapa cor de rosa... uma vez mais, erros de governação e falta de afirmação, conduziram Portugal a esta dependência externa ainda que temporária.

Os exemplos para um país começam de cima, da mesma maneira que para nós (individualmente) os nossos pais o são. Com os exemplos aprendemos e se de cima maus exemplos chegam, muitos sentem liberdade para praticar esses mesmos exemplos, mesmo que errados sejam.
A história mundial conta-nos tudo, a nacional também... pesquisem, procurem informação sobre a grande depressão dos anos trinta, sobre a "quinta-feira negra"... em pleno século XXI estamos a passar pelo mesmo, somos vitimas dos "polvos", mas também, de não pensarmos pela nossa cabeça e sim por aquilo que nos parece bonito e engraçado de ouvir!

A batalha de Aljusbatorra esteve praticamente perdida, como a de Valverde e na história ficaram conhecidas como milagrosas... Foi a fé de um líder, D. Nuno Álvares Pereira, e amor pela pátria que os conduziu à vitória. Este homem teve uma legião de seguidores, que o seguiam pelo carisma, pela fé, esperança que hoje tanta falta faz!

E quando perguntarem o que são os polvos, peixes e pregadores... peguem no sermão do Padre António Vieira - aos peixes e terão as respostas... a realidade de hoje, foi a de outros tempos!

Bem haja a todos e que continuemos a "lutar" pelo NOSSO PORTUGAL!

Alexandra Martinho

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Invente, faça diferente







O país entrou em estagnação, no marasmo das mesmas conversas, atitudes, pensamentos. Já não se ousa, não se inventa, parece que não há motivação para se ser diferente... para se fazer diferente! Não se conversa, discute-se! Cada um de nós necessita incutir renovação na vida, descobrir novas actividades, novas formas de divertimento que aliviem tensões e transmitam paz... ao espirito, à mente! Inúmeras barreiras foram erguidas com origem no descontentamento de toda uma população frustrada, é hora de respirar fundo e seguir um novo caminho. Começar a partir do zero, porque o sofrimento jamais será interno.


como não aceito pessimismo, fica para hoje esta escolha musical...






Namasté


Alexandra




domingo, 18 de novembro de 2012

*Não é o fim*




A voz é inconfundível, a mensagem de optimismo também... o caminho pode ser longo, mas devemos ser inteligentes o suficiente para saber que não é o FIM! Não deixar de sonhar e acreditar é o caminho!





"To run or not to be
Perhaps too blind to see
Leave your hometown behind
Few are the ones who keep their dreams about the world
Don't need to sell your soul
Leave your own goals behind
Give up and take the next big step of your life..."

sábado, 17 de novembro de 2012

*Enfrentar é Curar*









Momentos há em que necessitamos exteriorizar todo o veneno que corrói a alma, nessa altura enfrentar é o passo indicado, o caminho abençoado para se encontrar a cura. Deixem que doa, porque quanto mais doer mais os vossos olhos conseguirão ver!


Namasté!




Alexandra

*A Luz Do Mundo, o Sal Da Terra*





Sim, António Vieira, tu é que tinhas razão, tu é que pregavas bem o teu sermão fosse ele somente para os "peixes" ou não!
Por certo, que hoje, muitas voltas dás nesse teu túmulo onde te encontras, tu e todos aqueles que lutaram para fazer do nosso Portugal uma nação digna, honrada e com valores. Livre da escumalha, dos "polvos", dos "voadores" e castradores de sonhos que teimam em matar estas gentes.

Lentamente perdemos, uma vez mais, a nossa liberdade de expressão, de falar sobre temas e assuntos com outros interesses. Tudo caminha sempre com uma, ou para uma única direcção: crise! Mas faço uma questão, não será que Portugal esteve sempre em crise? A história comprova isso! Porém vivíamos de uma maneira diferente, dávamos maior significado às pequenas coisas e agradecíamos quando alcançávamos aquilo que parecia ser inatingível.

Foram séculos, foram décadas de excessos... excessos de governação, excessos de abuso de poder, excessos para se parecer ser aquilo que na realidade não se é... excessos!
São muitos aqueles que hoje tem alguma dificuldade em por comida na mesa, que não tem culpa destes excessos, mas que apanhados foram pelos tentáculos dos polvos que se esqueceram dos homens e mulheres de trabalho que continuam a dar vida e luz por esta nação.

Nem todos se sobreendividaram, muito pelo contrário, sabiam que podiam pagar as suas contas, as suas obrigações. Mas de um momento para o outro veio o desemprego, o aumento dos preços e do custo de vida... muitas poupanças se perderam no meio de tudo isto para pelo menos segurar a casa, para assegurar a continuação da educação dos filhos.

Não acredito em sacrifícios, acredito na reaprendizagem da vida, no começar do zero, na substituição de coisas supérfluas por outras igualmente saborosas e prazerosas! Não devemos ter medo, porque enquanto estivermos vivos continuaremos a ter duas mãos para trabalhar e transformar. Tal como uma cabeça para pensar e inventar! O nosso país ainda nos oferece saídas, há muito por onde pegar, basta ter oportunidade, vontade e incentivos!

Não me interessa o que os "polvos" dizem, ainda que me interesse o que eles decidem porque isso influencia a vida de cada um de nós, interessa aquilo que a minha cabeça e coragem pedem que eu faça. Pensar e agir! É difícil, sim é... levamos com tanta burocracia que é desmotivador fazer algo para o nosso futuro profissional, mas interessa, NÃO DESISTIR!

Não desistam Portugueses, porque eu também não! E a propósito, ontem, chamaram-me de capitalista porque recuso a falar em crise, a sair do meu país, porque ouso falar em investir quando só se pensa em fugir para uma vida melhor longe daqui!







Bom Sábado a tod@s!


Alexandra






quarta-feira, 14 de novembro de 2012

*Inveja Como Última Palavra dos Lusíadas*







Por incrível que possa parecer a grande obra literária de todos os tempos, "Os Lusíadas", não termina com amor, saudade, dor, ardor, pudor. Termina, simplesmente, com a palavra "Inveja"! Sim, a mesma que corrói vidas, aquela que define um ser humano nas suas piores qualidades. 

Quem nunca bocejou até lacrimejar sem ter sono que ponha o dedo no ar! Quem n

unca sentiu cansaço sem propósito, dor de cabeça aguda, insónias, pesadelos, sonhos agitados, peso nos ombros ou alterações drásticas de humor após ter estado em determinado sitio ou com determinadas pessoas que o diga.

Estranho? Não, não é!

Todos os dias estamos ou somos expostos a múltiplas energias, fluidos que afectam o nosso campo espiritual, carregando a nossa "aura" de negatividade que afecta o nosso bem estar emocional e físico.

Espaços envolventes, conversas negativas carregadas de queixas, indivíduos que muito gabam a vida dos outros (casa, carro, mulher/marido, filhos, actividade profissional, roupas), e que ainda se fazem de vitimas considerando o outro como um sortudo são motivos para estar alerta e ter precaução.

Como é obvio não podemos deixar de sair à rua e conviver com outras pessoas, mas devemos procurar formas de protecção, como por exemplo: não permitir que a nossa privacidade ou intimidade seja acessível aos demais.

Infelizmente, na actualidade, vivemos numa sociedade altamente competitiva em que de inúmeras formas se tenta derrubar ou ultrapassar o outro. É o colega de trabalho que não gosta de nós e manipula o chefe, é aquele vizinho que compra um carro igual ao nosso só para mostrar que também pode ou aquele desconhecido que se dirige a nós e sem nos conhecer tem conversas despropositadas como se algo pretendesse saber!

Quem vê caras, não vê corações e nem sempre um belo sorriso por nos ver felizes e contentes, é verdadeiro.

Os olhos são como espelhos, lentes que contêm energia do nosso corpo, da nossa mente. O olhar pode fazer o outro prosperar, pode curar, abençoar, regenerar, ou simplesmente, destruir, levando em alguns casos à própria morte.

A ganância, ódio, rancor, vingança, despeito, egoísmo aliados à inveja são dos piores sentimentos que um homem pode sentir por outro. Sentimentos esses que começam desde muito cedo, quando os meninos e meninas querem aquilo que outro tem só para não se sentirem inferiores. Perde-se a essência da alma por tão pouco, dando lugar ao parecer em vez do ser.

Quando falamos em inveja, falamos quase sempre de uma maneira despreocupada. Nem sempre entendemos que a mesma pode arrasar com tudo aquilo que construímos caso não tenhamos força interior para superar obstáculos. Caso não tenhamos a destreza necessária para continuar a remar contra a maré... O poder de se ser diferente está na mente, no coração.

Esquecemos, esquecemos de pedir pela nossa divina protecção, pela nossa felicidade e agradecer por cada dia das nossas vidas. Damos tantas vezes aso mesmo sem culpa a que invasores corrompam o nosso jardim do éden... sim, cada um tem o seu jardim do éden, o espaço onde todos podem e devem ser realmente felizes com os seus entes queridos.

Tenham cuidado, é o que vos peço, para isso deixo-vos alguns sintomas frutos da inveja ou também do dito e muito conhecido quebranto:

- Bocejar sem ter sono;

- dores de cabeça intensas e constantes;

- peso nos ombros;

- deitar cansado sem força anímica e acordar ainda mais cansado;

- insónias;

- dificuldade de concentração;

- Pessimismo constante;

- peso nas costas e ombros;

- A vida passa a ser um projecto que se adia, onde nada motiva, ou nada é suficientemente interessante;

- Vegeta-se a ver televisão, a jogar computador;

- Reclama-se constantemente de que nada corre de feição;

- entre outros...






O que podemos fazer para evitar isto?


Elevar os nossos pensamentos, devemos permitir que a nossa mente ao acordar seja estimulada assim: "hoje, eu sei, que tudo irá correr bem! Com ou sem obstáculos, nada fará com que eu saia da minha rota e me torne infeliz. Eu sou responsável por mim, pelo meu dia, pela minha vida! A minha alegria só terá fim se eu permitir."

Experimentem! Tenho certeza de que os vossos olhos irão ver o mundo de uma outra maneira, pelo menos, com cor!

Namasté!














Alexandra Martinho





terça-feira, 13 de novembro de 2012

*Aprendi*






Os dedos não servem para ao apontar, julgar! Servem para saber tocar no interior do coração, ouvir a voz da razão, aquela que nos guia para a nossa verdadeira e única rota, a existência de se ser livre pelo que se é!
Frustrados acordamos, mal dispostos nos deitamos e os pensamentos positivos que nos elevam onde estão?  
Não, não é fácil falar, difícil é mudar e agir. Aprender que mudar, consciencializando que somos agentes dessa mudança abrirá muitas portas outrora fechadas, será um grande passo na nossa realização pessoal. No meio de todo este processo é importante focar a nossa mente uns minutos por dia na seguinte mensagem: "Eu sou capaz, eu vou conseguir! se algo de errado acontecer eu saberei que contribui para tal e irei mudar, porque não quero regredir, apenas evoluir!"


Na nossa mente está o poder!


Beijos e boa semana!


Alexandra Martinho






quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Poema de Amor














Quero escrever um poema de amor…
Que fale de ti,
de nós...
Penetrar em teu coração
Segurar forte a tua mão
e em teus olhos dizer...

Sem ti,
não posso viver...


Fernando Jesus









É teu este poema, como é teu o meu coração, o meu amor. Engraçado como o tempo passa, engraçado como juntos fomos crescendo e amadurecendo. Lapidando o nosso sentimento de união com carinho e devoção. 
Chegaste à minha vida quando menos esperava, quando tu menos esperavas e pediste que te lesse os poemas... eu li, vi-te, senti-te, chorei e o meu coração apertado ficou... eras tu, mas tive medo, medo de que fosses uma miragem e que o tempo te levasse. Tinha medo de me entregar e de acreditar... tu ficaste e vieste para me conhecer. Não me esqueço, aquele homem grande e envergonhado que descia o santuário de Fátima (estou a sorrir só de lembrar), óculos de sol da prada, camisa preta, calça de ganga e as sapatilhas pretas e brancas que tanto gostamos. Naquele momento tudo parou, por momentos ficámos só eu e tu, tu e eu e muita purpurina no ar, nada mais... a multidão daquele dia tinha-se esfumado e aí demos o nosso beijo, o meu primeiro beijo dado nos lábios de outro alguém... foi mágico, pleno, foi o nosso momento e as borboletas na barriga não paravam. Eras e és simplesmente lindo!


Uma das músicas que me dedicaste e que marcou o meu ser, foi ... 


dizias que tudo tinha haver contigo e comigo também, é verdade! Viemos dum caminho distinto, mas "sangrento", carregado de sofrimento, amargura, dor... quem me dera que tivesses vindo mais cedo, quem me dera ter chegado mais cedo.
Foi demais não achas? Eu acho que sim, foi demais para mim, para ti... agora estamos juntos e eu sei que sou uma chata do pior, que amuo, que me magoo com facilidade...mas atrás de mim está toda uma vida que me deixou marcas tão profundas e vincadas que eu não quero por nada que o tesouro que possuo desapareça. Tu és o meu tesouro! Pelo bem estar daqueles que amo faço tudo. Tu sabes que não me encaixo neste mundo, apenas no nosso mundo... mas tu disseste algo que me fez pensar, o mundo não é um rectângulo perfeito com quatro cantos, o mundo é redondo sem horizonte, sem cantos e o nosso amor é isso... vai além do horizonte!

Estive anos sozinha por escolha, porque amar requer maturidade, disciplina, humildade, serenidade, perseverança... amar é um dom que todos nós possuímos, mas que poucos sabem usar. és o meu primeiro amor, o único homem que existiu em toda a minha vida e contra factos não há argumentos. 

Escrevo tudo isto porque neste blogue existe o meu afecto, o mundo dos meus afectos, e ao mundo não receio dizer o quanto te amo... sim isto é uma declaração de amor, porque a mereces... porque a minha admiração por ti não tem fim, porque és tudo para mim muito além da compreensão do comum dos mortais. Desculpa se por vezes faço asneiras, obrigada por me saberes guiar, por teres aberto aquela porta dourada que julguei nunca ser aberta para mim. Obrigada, sim amor, estou a chorar... de felicidade! Tens inspirado a minha vida e eu a tua... não preciso nem gosto de bajulações, apenas necessito da tua verdade e daqueles que me amam. É bom olhar para trás e ver tudo aquilo que já construímos, é bom olhar para o lado e ver como sentir que estás comigo. Este blogue foi criado pelo teu incentivo, com o teu incentivo, porque desde sempre que acreditas na minha capacidade de levar a palavra e tocar os corações dos demais, aliás tu sabes o potencial que possuo... Tal como em alguns textos a tua vida é inspiração para mim, nos restantes em todos aqueles que são quentes e sensuais a nós dois inspirados são.

Lembras de quando fomos este ano à serra da Estrela, nunca lá tinha ido e até nisso foi a minha primeira vez, contigo! Ao subir a torre lá ia eu agarrada à tua perna e à porta do carro com medo de cair?! (risos) E no restaurante de cozinha michelin, do museu do pão, tu implicavas por eu usar a faca do lado esquerdo para cortar a comida e não do lado direito (até nisso sou diferente)... o amor é mágico e apesar de fazer cara de rezingona, por dentro quando implicas comigo nestes aspectos eu rio... é impossível não rir, porque tudo vindo de ti é, nem sei bem explicar.

Vou-te dedicar a música que mais fala sobre nós, que mal interpretada foi por muitos... mas só nós é que sabemos, só nós é que percebemos a verdade que existe não somente na melodia, como na letra. Ao mundo eu digo, a Deus prometo vou-te fazer o homem mais feliz do mundo, vou-te dar a família que sempre sonhaste ter, verás nossos filhos crescer e orgulho irei ter de os ver teus ensinamentos receber... amar-te-ei até ao fim dos meus dias, somos nós e só nós é que seremos aquilo que queremos ser... é bom ter alguém tão igual a nós não é? 

Vou-te dizer aquilo que sempre quiseste ouvir, obrigada não por aquilo que me proporcionas, mas sim pelo ser e homem maravilhoso que és!


Um beijo para ti, um beijo para todos

Fica a música... com amor, porque simplesmente eu, amo-te!





hoje assino,

Alexandra Maria de Jesus

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

*Viagem do Sentir*




A noite já vai no seu auge, muitos já dormem, outros ainda não... eu ainda não! Apetece-me por isso embarcar nesta viagem, a viagem do sentir... a minha viagem...



tudo começa assim... 




e fui assim crescendo, para amar todas as pequenas grandes coisas da vida...


como gosto de ver um sorriso, uma expressão de carinho... mesmo num mundo que se diz vazio...


há quem me chame de meu anjo, que meus braços são as asas de um anjo...





... simplesmente gosto de ter por perto e dizer que os amo... para sempre...




... mas sentia que faltava algo, o meu grande amor, apenas o queria sentir uma vez e...




... aconteceu! 



... surgiu quando eu menos esperava...


... a vida continuou e o meu mundo edificou-se junto a ti...



Vivemos numa realidade em que não me enquadro (lamento), gosto de sentimentos, da verdade dos afectos. Nasci, cresci e vivi até hoje com afectos... tenho pavor a frieza, gosto de dizer o que sinto com clareza... amor, é o meu amor. A este mundo tenho apenas uma coisa para dar, outra para deixar... amor!
Para mim é eterno e não me desafiem para o contrário, um dia chamaram-me muralha da china, no outro de anjo abençoado.
Apenas sei que se algum dia tiver pecados, não trarei atrás de mim condenados, porque nesta vida a única rosa que colherei, será aquela que semeei... amor!

Desta vez não façam interpretações, porque tiram erradas conclusões... partilho apenas uma coisa... a viagem do sentir, sintam vocês também! Somente com ela sei viver e resolver... my eternal "perfect" life!





a viagem continua...



Alexandra Martinho 




domingo, 4 de novembro de 2012

*SussurrO... BoA NoitE*










A noite está fria, tão fria como a chuva que cai do lado de lá desta janela que divide o nosso mundo do outro onde todas as pessoas habitam.
Vamos deitar no nosso leito, quero aninhar meu corpo em ti, tenho frio e quero te ouvir sussurrando "boa noite, meu amor!".
Poderia morrer por ti, mas aquilo que realmente desejo é manter este vínculo de verdade que fez o nosso mundo real! A batida do coração mantém-se e assim nos fazemos à estrada para mais uma jornada, longe de fantasmas... mas agora... vamos dormir, vamos dormir simplesmente assim, de bebé para bebé com doçura e amanhã será outro dia. A manhã pela tua voz que entoa na minha mente como o cântico de um passarinho de luz cheio de mil cores, só para mim...


Vamos dormir? shhhhh... sussurro dizendo, boa noite... tudo será real...


Alexandra Martinho