segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

*No Meu Poema*







No meu poema escrevi passos para a lua por entre as estrelas da radiosa madrugada, quisera eu ser libertada dos medos da noite que sonhos meus afugentava. Nesta hora de silencio em passos para a lua, escrevo o contentamento que deu lugar ao sofrimento de um rio que lágrimas doces criaram.
O tocar pleno do céu em que meus olhos fecho e nas asas do condor atravesso as teias dos labirintos escurecidos e empobrecidos pela falta de amor. No meu poema faço entoar o grito do meu lema, desenho um simples sorriso com uma pena, nunca esquecendo os sonhos, nunca esquecendo que sou gente que seguirá em frente sem ter a pressa do urgente. Não temo e nem a própria morte me fará temer o descanso do sono eterno!





Faço uma selecção musical com votos de uma boa semana para todos!


Beijinhos

Alexandra Martinho









sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

*A Chata*







Após pouco mais de dez anos sem jogar basket, as equipas masculina e feminina foram ontem reunidas para um joguito de matar saudades. Estamos mais velhas, ou melhor, o tempo deu-nos um outro tempero que não tínhamos aos dezassete, dezoito anos e eles... continuam na mesma, talvez um pouco mais carecas, mais barrigudos, mas as brincadeiras entre nós continuam as mesmas. Deu para matar as saudades de cansar o corpo, de pegar na bola e sentir a adrenalina de marcar mais um ponto, encestar a bola que tanto gostámos um dia de driblar.

No decorrer do jogo alguém se lembrou de trazer uma música um tanto ou quanto cómica, de uma banda chamada Ultraleve, que muito energicamente nos brindou com o tema "A Chata"! Pois, "a chata", foi a banda sonora do nosso jogo de quarenta minutos... 

Uma quinta-feira bem passada que me valeu umas quantas dores no corpo e um sono descansado.


Deixo-vos com a "Chata", espero que gostem e tenham uma excelente sexta-feira!


beijinhos!



Alexandra Martinho




segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

*The Versatile Blogger Award e 7 coisas sobre mim*







O meu amigo Gonçalo do blog Raio de Sol lançou-me este desafio que consiste no seguinte: 



 1. Agradecer à pessoa que te deu esta nomeação e incluir um link para o seu blog; 

 2. Escolher 15 blogs e nomeá-los com o "The Versatile Blogger Award"; 

 3. Escrever 7 coisas sobre ti.


Bem, vou inverter a ordem e começar pelo ponto número três:

1. Fui, sou e sempre irei ser uma mulher de acção, com um elevado senso de justiça e até mesmo ideal social. Assumo a personalidade que tanto tem de frontal como de fraterno. Sei que a mesma choca e muitas das vezes é até um tanto ou quanto inconveniente, mas prefiro dizer o que sinto e penso a ignorar ou colocar panos quentes.

2. Com o passar dos anos, poucos mas bons, aprendi a compreender, aceitar, usar tudo aquilo que inatamente sei, nunca esquecendo de aliar ao que estudei, ao que li para poder compartilhar. A vida esperou que usasse a minha sensibilidade, intuição, imaginação para alcançar objectivos pessoais. Abrir a minha consciência ao novo sem ter medo das consequências. 

3. Gosto de pacificar, de unir pessoas (principalmente familiares ou seres próximos). Necessito de estabilidade emocional para expandir e ser quem sou, pondo-me longe de pessoas que denotam algum tipo de instabilidade, stress, que vivem em constante queixume ou desarmonia. 

4. Sou uma mulher de/com princípios, os mesmos que regem a minha forma de ver, de construir um relacionamento com o meu parceiro. Se tiver de me "sacrificar" em mais algumas horas de trabalho para que a minha vida familiar/conjugal tenha conforto e estabilidade assim farei. Além de que nunca lhes faltará o aconchego, a dedicação emocional de minha parte que tanto merecem. 

5. Estou sempre disponível para aprender e se de minha ajuda precisarem em tarefas domésticas, irei aprender (como aprendo o que for possível) para ajudar. Peco somente quando o perfeccionismo me sobe à cabeça e decido fazer tudo sozinha, o que nem sempre corre bem.

6. Gosto de confrontar, de confrontar ideias e pensares, porque nem sempre para uma determinada situação existe apenas uma resolução. Na ponta da língua tenho sempre uma palavra de incentivo, um conselho, como se houvesse em mim um instinto professoral que ilumina um caminho outrora escuro. 

7. A vida tem de ter afectos e por esta razão dou tanta importância à mesma feita por dois a dois. Aquela em que nos ouvimos mutuamente, incentivamos a ser quem somos... no fundo uma fusão que não quebra as leis da individualidade, que se alicerça na perfeita compreensão de que um relacionamento vive da abertura emocional e sexual do casal, gerando cumplicidade e prosperidade.


Os blogues que escolho são:

Os meus idealismos

Ao sabor da pena

A Janela da Joana

A Casa das Mius

Apontamentos de Luz

Nada de Coisa Nenhuma

Só te peço 5 minutos

e todos os outros por onde passo e que por aqui passam :)

Quero vos desejar uma excelente semana e obrigada por fazerem parte deste espaço!


Alexandra Martinho

domingo, 10 de fevereiro de 2013

*Amar é muito mais que uma palavra*







"Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades. Para viver a dois, antes, é necessário ser um."

Fernando Pessoa




Não é difícil viver na "sombra" da própria solidão, difícil é compreender que ela transmite um valor essencial para estar numa vida a dois, feita por dois. 
Aproxima-se o dia dos namorados que para muitos pode ser uma fantochada ou apenas mais um dia para se gastar uns quantos euros, mas se pensarmos coerentemente, não será que também o Natal se transformou numa fantochada e em apenas mais um dia para se gastar dinheiro? Vocês até podem dizer/pensar que o "cu nada tem haver com as calças", mas tem e vão perceber porquê.

Para mim Natal ou dia dos namorados são datas importantes que merecem ser celebradas. Se a primeira reforça a importância da família, a outra relembra o quão importante é preservar a mulher ou o homem que está do nosso lado. Mas indo mais ao fundo da questão para ambos os dias que mencionei, quando se fala em consumismo, estamos longe do verdadeiro simbolismo/significado que é única e exclusivamente o amor. Já repararam nisso? Que ambos são baseados no que de mais puro e sagrado existe neste mundo, o amor?

Faço mais uma questão: afinal o que é o amor? Porque razão se fala tanto de amor e poucos o vivem? Todos falam e ninguém o consegue ver?! A construção de um relacionamento amoroso é feito com a participação de dois e não de apenas um. Aliás, vou-vos contar um "segredo": já alguma vez se deitaram felizes e contentes com os vossos parceiros/as e no dia seguinte nem os podiam ver à frente, tudo o que eles faziam ou diziam vos irritava? Pois bem, antes de explodirem e rebentarem com quem não merece pensem bem de onde vem toda essa "raiva" ou má disposição. A razão pela qual estamos chateados não é aquela que pensamos ser, a verdadeira razão está sempre escondida, adormecida no subconsciente e é trazidas à luz do dia para ser curada... sim, curada!

Por falar em cura... o amor é a verdadeira e única cura eficaz para as maleitas da alma, do emocional, já pensaram ou sentiram isso? Já alguém sentiu ou viveu o amor por si próprio? Posso dizer que é das melhores coisas que temos nesta existência, o amor que nutrimos por quem somos. Somente assim com este forte e inigualável sentimento podemos receber o outro na nossa vida. Receber, aceitar, cuidar, sarar e agradecer cada dia que passa por essa pessoa saber cuidar de nós, ser como que o farol que mostra a luz do caminho quando tudo parece negro, tortuoso, tumultuoso.

Devíamos encarar o amor e as suas diversas fases de mudança como as quatro estações do ano não permitindo que ervas daninhas tomem conta do jardim ou que as rosas percam a sua cor, a vida. Custa muito alimentar o sentimento que une duas pessoas? Não! Ele flui com naturalidade quando nos colocamos na pele do outro e entendemos que defeitos são inerentes a todos e os erros fazem com que o crescimento seja contínuo. 

Mesmo que sozinhos comemorem este dia! Devemos ser os nossos eternos e incondicionais namorados, porque esse amor, esse enamoramento é apenas nosso... de nós para nós.
Para os que têm uma cara metade digo: Agradeçam por cada dia que acordam e sabem que a tal ou o tal continua presente na vossa vida. Quem ama e é amado será eternamente abençoado.







Uma boa semana e um feliz dia dos Namorados para tod@s

Alexandra Martinho



p.s não esqueçam quanto mais amados somos, mais sentimentos não resolvidos surgirão para que a cicatrização se dê. Tenho certeza que entendem...


*Chamo-te para mim*











Chamo-te para mim, tenho saudades de ti.
Desse teu cheiro que inalava todas as tardes
sempre que chegava a casa e procurava teu olhar de marfim.
Seria loucura ou simplesmente gestos de ternura humedecer minha língua na tua?

Chamo-te para mim... - sabes - que saudades tenho de ti.
Poderia nada fazer de útil, mas cá dentro neste palpitar alucinante do diamante
invoco o azul do céu com um sorriso cintilante.

Como ave que sois ousa pousar em mim,
beija a pétala que guarda preciosos sinais da vida.
Com alegria, meu amor, com alegria há-de chegar o dia
em que simplesmente sem ousadia farei de ti meu anjo guia.



Alexandra Martinho







domingo, 3 de fevereiro de 2013

*Bebe, mas não bebas a vida*






"O vinho não viola a razão, mas sim nos convida gentilmente a uma agradável alegria.” Sócrates [470-399 a.C.] – Filósofo grego



Já passou mais de uma semana desde a última vez que publiquei algo neste meu espaço, não que tenha parado de escrever, simplesmente é bom fazer uma paragem geral de vez em quando e aproveitar outras coisas... as coisas simples e boas da vida.

Quero hoje "falar" sem ferir susceptibilidades sobre uma realidade que está a tomar proporções descontroladas sobretudo junto da população jovem, o alcoolismo.
Infelizmente, através das últimas noticias que tem saído sobre este tema, compreendo que a sociedade civil Portuguesa ainda não está devidamente informada sobre os perigos que o consumo de álcool "oferece" aos jovens, entre os quais: perturbação no desenvolvimento físico, diminuição na capacidade de concentração, desempenho de tarefas, enfraquecimento do cérebro, entre outras consequências que surgirão a longo prazo.

Por alcoolismo compreendemos, o consumo excessivo e constante de bebidas alcoólicas    cujo comportamento interfere negativamente em todas as esferas da vida de um indivíduo. Sendo, por isso, considerado um vicio passível de ser tratado.

Esta realidade existiu na minha família terminando em mortes por cancro após anos de consumo desmedido de bebidas alcoólicas. 
Todos nós sabemos que faz bem à saúde beber vinho tinto às refeições, mas um garrafão de 5litros?! Uma caneca de vinho ao pequeno almoço?! ou aguardente para substituir refeições?! Não, não creio que seja esse o caminho nem de perto, nem de longe, mas era isto mesmo que o meu bisavô paterno fazia. Ao almoço, ao jantar, bebia sempre um garrafão de 5 litros de vinho tinto e de Inverno aquecia o mesmo num dos tachos de cobre que hoje ainda temos. Faleceu aos 75 anos vitima de avc e comprometimento do fígado. 
O meu avô paterno, genro do bisavô de que falo, por causa do álcool em excesso colocava a minha avó e o meu pai a dormir na rua, além das tareias que lhes dava sem razão aparente. Faleceu com 79 anos vítima de cancro do cólon com fígado totalmente destruído e sim, ele pertencia àquela geração criada com sopas de cavalo cansado, tal como bebia pela manhã uma caneca de vinho tinto. 

É fácil reconhecer quem bebe por prazer, para esquecer ou por vicio... é fácil identificar um homem ou mulher dependente do álcool. Acho que na grande maioria dos casos devemos usar esta expressão "Não julgues alguém pela capa, quando desconheces o conteúdo das suas páginas".
Lanço a pergunta, o que leva tantos jovens na actualidade a beberem descontroladamente? Será que ainda andamos com a velha teoria de que se não beberes até cair de cu não és homem? Ou será que estes mesmos jovens encontram através do álcool aquilo que não têm em casa? (Atenção, aceitação, carinho)
Custa-me a acreditar que uma sociedade que se diz tão evoluída continue a fazer vista grossa a um flagelo existente em tantas casas Portuguesas, mas como em tudo, só quem passa por "elas" é que consegue dar o devido valor.

Jovens, adultos, todos aqueles que ficam dependentes deste vício sofrem e com eles todos os que os amam... mas ainda há quem goze, quem se aproveite da situação. Costumo dizer se temos de apanhar uma "piela" que a apanhemos em casa, pelo menos assim sabemos onde estamos e a paragem mais certa é sem dúvida o vale dos lençóis para somente acordar no outro dia de manhã. 

Já alguma vez me embebedei? Não e raramente toco numa pinga de álcool que seja, quanto muito bebo esporadicamente um copo de vinho à refeição para saborear e acompanhar o Fernando. 
Penso que devíamos estar, ser mais atentos às necessidades daqueles que nos são próximos. Devemos dar um pouco mais de nós e sendo a vida uma escolha, abrir os braços para um abraço sincero devia ser uma dessas escolhas. Não fico feliz de olhar em volta e ver toda uma realidade em ruínas onde temos PESSOAS que se afogam no tempo, em depressões, em mágoas, em álcool... pergunto: porque nos passa tudo isto ao lado? Detesto quando dão a entender que alguém é bêbado ou o/a chamam literalmente em alto e bom som o tal nome. E que tal, que tal parar para pensar, sentir um pouco aquilo que se passa com o outro?

Vou terminar por aqui reforçando a ideia de que faz falta pessoas mais esclarecidas, mais companheiras e pouco julgadoras. 


Bom domingo a todos!

Alexandra Martinho